Cultura

O chapéu que faltava a Nuno Artur Silva

  

A sério que queres fazer isto? A sério que queres fazer aquilo? Já toda a gente ouviu uma variante desta pergunta, que foi o mesmo que Nuno Artur Silva ouviu quando decidiu fazer o espectáculo Nuno Artur Silva. A Sério?, que vai estar no Teatro-Estúdio Mário Viegas de hoje a sábado.

“O Hugo Nóbrega, responsável pelo ‘The Famous Humor Fest’, ligou-me na altura para eu programar uma noite das Produções Fictícias no festival, mas não era isso que me apetecia. De impulso, disse-lhe que queria fazer um solo. Ele respondeu: 'A sério?'. Pareceu-me logo que era um bom título”, explicou ao SOL Nuno Artur Silva, que já andava com esta ideia na cabeça há um tempo.

Conseguiu agora encaixá-la entre as actividades como responsável pelas Produções Fictícias, como moderador do programa Eixo do Mal ou como director artístico do Canal Q - não é por acaso que nos vídeos de promoção põe um chapéu na cabeça: “Não sou comediante e não quero ser. Não sou actor e não quero ser. Isto para mim é uma extensão da escrita. É mais um chapéu que ponho e que me faltava usar. É um regresso às origens, voltar a representar os meus próprios textos”.

Os textos vão ser apresentados como um monólogo. “Tem alguma coisa de stand up comedy, mas também tem alguma coisa de conferência”. E, apesar de ser um monólogo a nível das palavras, é acompanhado por desenhos ao vivo do ilustrador António Jorge Gonçalves e pela música dos Dead Combo. “Com estes desenhos e com esta música já está ganho. Eu mando-lhes texto e eles mandam-me desenhos e música de volta, é o mais perto que vou estar de pertencer a um grupo”.

O formato foi apresentado numa espécie de ante-estreia no ‘The Famous Humor Fest’ e volta agora para estas quatro apresentações únicas em que o texto se adapta ao tempo que entretanto passou. E ainda que o título sublinhe a palavra 'sério', é mesmo para ser humor: “Só espero que seja daquele tipo de humor em que as pessoas se riem pelos motivos certos e não como aquela frase que adoro do Woody Allen sobre ter orgasmos do tipo errado”. Aliás, o próprio define assim a sua missão: “É fazer um espectáculo para as pessoas rirem em conjunto quando estamos num país onde as pessoas vão a espectáculos de fado para ficarem tristes em conjunto”.

O monólogo, que vai ter momentos em que os Dead Combo tocam músicas por conta própria, está dividido em sete partes. Nuno Artur Silva vai falar sobre aquilo que as pessoas dizem umas às outras, sobre ter 50 anos, sobre dinheiro, a vida de 'artista de variedades', humor, o mundo da televisão e ainda sobre o que se tem passado em Portugal.

“Não me apetecia nada entrar na fase Salão Preto e Prata do Casino Estoril, a fase dos balanços em que sou o tipo que é sempre escolhido para dar opiniões sobre humor. Estava a ficar emparedado nessa situação e recuso o papel”. Recusar o papel passa por subir ao palco e voltar ao início da carreira. “Muita gente me questionou. Estamos num país onde todos os dias aparece um novo engraçadinho e uma nova fadista. Mas eu já arrisquei tantas vezes e sempre ouvi isso: 'De certeza que queres fazer um jornal fictício? De certeza que queres fazer um canal de televisão?'. Desta vez até tenho uma vantagem - se falhar, sou só eu que falho. O desenho e a música de certeza que vão correr bem”.