Economia

BPN Crédito demitiu 84 colaboradores

A nova administração do BPN Crédito dispensou 84 trabalhadores num processo de despedimento colectivo.


O Estado vendeu, no final de 2014, o BPN Crédito o fundo londrino Capital Partners e à portuguesa Eurofun. Menos de um mês depois, a nova administração iniciou um processo de despedimento colectivo. Foram demitidos 84 funcionários, confirmam hoje os sindicatos bancários.

De acordo com as estruturas sindicais, os novos donos do BPN Crédito justificaram a dispensa dos 84 colaboradores com “motivos e circunstâncias de natureza económica, de mercado e estruturais”.

“O processo negocial decorreu de forma célere, sem nenhuma abertura por parte da administração para encontrar soluções alternativas ao despedimento colectivo, conforme previsto na Lei, e sempre com pressões e tomadas de posição patronais visando intimidar os trabalhadores abrangidos por esta medida”, denunciam os sindicatos bancários que acompanharam o processo.

A unidade de crédito do Banco Português de Negócios - instituição nacionalizada em 2008 - ficou na esfera do Estado, tendo sido alienado por 36 milhões de euros no final de 2014, quase tanto como os 40 milhões de euros que o BIC pagou pelo BPN. 

No comunicado de venda do BPN Crédito, o ministério das Finanças garantia que “a entidade compradora se comprometeu a manter um número significativo de postos de trabalho”. A alternativa à venda seria a liquidação e a perda de todos os postos de emprego. O último relatório e contas indica que a instituição tinha um efectivo de 184 colaboradores.

Os custos estimados para o Estado com o BPN Crédito são de aproximadamente 62,9 milhões de euros, cerca de metade da factura a pagar caso tivesse de fechar a instituição (entre 114 a 139 milhões de euros).

A Parvalorem, a Parparticipadas e a Parups foram os veículos criados pelo Governo para albergar e recuperar os activos tóxicos que ficaram fora da alçada da reprivatização do BPN. 

sandra.a.simoes@sol.pt