Opiniao

Eleições gregas

Saudações, caros leitores. Tive problemas de saúde – já debelados -  e informáticos, estes ainda não completamente resolvidos. Por isso decido escrever este artigo para dar conta que a coluna não morreu, mas que haverá brevemente nova interrupção, provavelmente hoje ou amanhã.

Hoje, a notícia do  dia é a vitória de uma coligação de extrema-esquerda nas legislativas gregas. Por aqui, seria como se o Bloco de Esquerda ganhasse as eleições.

Resta agora o que vão fazer no poder. Ganhar eleições com promessas fáceis é simples, fazer o trabalho duro de governar é, depois, muito mais difícil.

Ainda assim, não deixe de ser chocante que um partido neo-nazi tenha ficado em terceiro lugar, isto num país que sofreu uma ocupação nazi que, como em todo o lado, foi bruta, e onde ainda há pessoas que se lembram dessa ocupação.

Voltando aos nossos dias, é certo que os gregos, com a ajuda de bancos muito respeitáveis, falsificaram as contas públicas para entrarem no euro (segundo li, o governo português da altura, do PS, também recebeu oferta de comprar swaps e assim melhorar artificialmente as contas públicas, mas recusou).

Os gregos foram levados até ao limite, foram mesmo castigados. Não lhes perdoam terem facilitado as contas. Será muito interessante saber o que vão fazer a seguir. Mas as negociações com os credores vão endurecer. Podemos estar a assistir ao início do fim do euro.