Politica

Governo vai investimentos em territórios de baixa densidade

O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, anunciou hoje que o Governo vai majorar "em mais de 10 por cento" os projectos de investimento nos territórios de baixa densidade no próximo quadro comunitário de apoio.

"Nós vamos majorar em mais de 10 por cento os projectos de investimento nos territórios de baixa densidade e, portanto, vamos favorecer claramente quem investir nos territórios de baixa densidade", disse.

Para o governante, "é do interesse do próprio país" também tirar partido dos "recursos e das potencialidades" de todas as parcelas do seu território, defendendo, por isso, que Portugal não pode funcionar a "diferentes velocidades".

"Nós sabemos que este não é um processo fácil, não se muda essa realidade de um dia para o outro, mas é um processo em que todo o país tem de apostar", defendeu.

Miguel Poiares Maduro falava aos jornalistas em Campo Maior, no Alto Alentejo, à margem da inauguração do polo industrial Tecnidelta II, uma nova unidade que se destina à montagem de uma máquina de café profissional para a restauração, totalmente desenvolvida pela empresa Delta Cafés.

O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional afirmou que o próximo quadro comunitário é "uma oportunidade muito grande" para o interior do país, sublinhando ainda que os projectos de investimento empresarial nos territórios de baixa densidade terão comparticipações "reforçadas" dos fundos europeus.

"Da mesma forma, como eu já tinha prometido, iremos abrir, aliás, concursos específicos só para investimentos em territórios de baixa densidade. Isto demonstra bem como, no âmbito do "Portugal 2020", nós levamos muito a sério o objectivo de coesão territorial", afirmou.

Poiares Maduro acredita que, "pela primeira vez", vai existir uma "diferenciação positiva" dos territórios do interior no sentido de "atrair" mais investimento para essas regiões, traduzindo-se esses investimentos na criação de emprego qualificado e na fixação de pessoas.

"O que estes territórios necessitam, sobretudo, é de actividade económica, dinamismo económico-social, emprego para os jovens, emprego qualificado (...)", disse.

Durante a sua visita a Campo Maior, o ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional considerou "emblemático" o novo investimento da Delta Cafés no sector da criação (fabrico de uma máquina de café), sendo este projecto apoiado por fundos comunitários.

"É fundamental nós termos projectos como este e que este grupo económico aliás representa. Projectos com alto teor de inovação, com capacidade de internacionalização que juntem conhecimento a actividades e sectores tradicionais", disse.

A nova unidade da Delta Cafés contou com um investimento de cerca de um milhão de euros, tendo sido criados 14 postos de trabalho.

Lusa/SOL