Economia

Falhou a venda da Opway

A falta de apresentação de uma prova de fundos pela Nadhari, que tinha vencido o leilão de venda da Opway, levou à tentativa de reabertura do concurso pela Espírito Santo Industrial, indicou hoje à Lusa uma fonte ligada ao processo.

De acordo com esta mesma fonte, para a reabertura do leilão, que se tinha realizado pela primeira vez no dia 2 de Fevereiro, foram convocadas tanto a Prebuild como a equipa de quadros e ex-quadros da Opway. Estes dois concorrentes tinham ficado atrás da Nadhari, empresa que ofereceu cinco milhões de euros mas não chegou a apresentar prova desses fundos até ao dia 9 de Fevereiro, como era legalmente obrigada.

Segundo as regras do leilão, este deveria ser agora ganho pelo grupo de quadros e ex-quadros da Opway - do qual faz parte Almerindo Marques, ex-presidente da empresa - uma vez que essa equipa tinha ficado colocada em segundo lugar.

No entanto, a Espírito Santo Industrial, que está a tratar do processo de venda coordenado pelo Tribunal do Luxemburgo, indicou que pretende rentabilizar o mais possível o valor a obter pela alienação das acções da construtora do Grupo Espírito Santo. Por esse motivo, houve contactos para a Prebuild e para o grupo de quadros, para confirmarem se desejam ou não regressar ao processo.

A confirmar-se a reabertura do concurso, o que teria de acontecer até às 16:00 de hoje pelo menos por um dos dois concorrentes, de acordo com a mesma fonte, este irá ter como base os últimos valores oferecidos pelas duas empresas e que não chegaram a ser aceites pelo presidente do júri: 1,3 milhões de euros da parte da Prebuild e 1,35 milhões do grupo de quadros.

Mas contactada hoje pela Lusa, uma fonte da Prebuild confirmou que a empresa desistiu de todo o processo, por considerar que tinha sido injustamente preterida e que já estava decidido que a Opway seria comprada pelo grupo de quadros, desde o início da venda.

Lusa / SOL