Cultura

Óscares 2015. Quem vai ser o vencedor desta noite? Últimas previsões

“Boyhood” ou “Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)”? A noite da 87.ª cerimónia dos Óscares começa daqui a umas horas e esta parece ser a única grande dúvida. E estende-se a duas categorias: Melhor Filme e Melhor Realizador. Normalmente andam de mãos dadas, sendo comum a obra eleita conquistar as duas estatuetas, mas de há dois anos para cá não tem sido assim. Em 2013, “Argo”, de Ben Affleck, ganhou o prémio de Melhor Filme, enquanto Ang Lee levou para casa o título de Melhor Realizador por “A Vida de Pi”. No ano passado, repetiu-se a segregação: Steve McQueen conquistou o galardão de Melhor Filme com “12 Anos Escravo”, enquanto Alfonso Cuarón foi eleito o Melhor Realizador com “Gravidade”. A julgar pelas apostas de críticos de cinema de jornais como o Guardian, o New York Times, o Telegraph e o Washigton Post este ano não será diferente, com a ‘disputa’ entre Richard Linklater (“Boyhood”) e Alejandro González Iñárritu (“Birdman”) a ser mesmo renhida. Vejamos, então, quais os argumentos dos nomeados por categoria.

Melhor Filme

Pensar num projecto que se estende, literalmente, durante 12 anos é algo inédito na Sétima Arte. Mas esse é apenas um dos muitos factores que fazem de “Boyhood” o favorito ao Oscar. A singularidade no trabalho de Richard Linklater é ter conseguido filmar a banalidade da vida familiar sem artifícios, realçando as peculiaridades próprias de cada personagem para, no fundo, retratar a nossa vida tal como ela é. “Boyhood” é um filme extraordinário, de uma beleza e simplicidade invulgares. O oposto de “Birdman”, que te simples não tem nada. Filmado como plano-sequência, com a câmara sempre em movimento, a obra de Iñárritu expõe o mundo imaginário do realizador mexicano, que nos habituou a filmes - “Amor Cão”, “Babel”, “21 Gramas” ou “Biutiful” - em que o embrulho conceptual ofusca o conteúdo. O que, comparado com a ambição de “Boyhood”, não deveria chegar para ganhar os Óscares. O terceiro elemento que pode alterar isto tudo é “Sniper Americano”. Apesar de Clint Eastwood não estar nomeado para Melhor Realizador, o seu filme conta a história de um ‘herói’ americano e a campanha política de que tem beneficiado pode influenciar as contas finais. 

Melhor Realizador

Se “Boyhood” vencer Melhor Filme, Alejandro González Iñárritu deverá levar para casa a estatueta de Melhor Realizador (em 2007 foi nomeado na mesma categoria por “Babel”). Este é o cenário mais provável de acontecer do que o contrário. Mas há um nome que pode desestabilizar o cálculo: Wes Anderson. É pouco provável, mas de tempos em tempos a Academia gosta de premiar o ‘rebelde da classe’ e Wes Anderson preenche bem esse estereotipo. 

Melhor Actor

Esta é a categoria mais difícil, com todos os candidatos a merecer a nomeação (falta, talvez, Ralph Fiennes, por Grand Budapest Hotel). E tudo leva a crer que será Eddie Redmayne (“A Teoria de Tudo”) a ganhar o Oscar, pelo seu papel como Stephen Hawking, mas não é bem assim. Michael Keaton (“Birdman”) é um concorrente de peso e a ideia romantizada de um actor esquecido que renasce para o estrelado sempre agradou Hollywood. Para baralhar ainda mais as contas há Bradley Cooper (“Sniper Americano”), nomeado pelo terceiro ano consecutivo, feito alcançado mais recentemente pela ex-namorada Renée Zellweger, que à terceira conquistou o tão cobiçado Oscar. 

Melhor Actriz

Aqui não há muita conversa. Julianne Moore (“O meu nome é Alice”) é a favorita e deverá, finalmente, levar a estatueta dourada para casa. Esta é a sua quarta nomeação e com a atribuição do prémio a si ficará aquela sensação de ‘justiça reposta’. Marion Cotillard (“Dois Dias, Uma Noite”) é a outra grande candidata, mas não deverá ser desta que ganha o seu segundo Oscar.  

Melhor Argumento original

Apesar de “Boyhood” e “Birdman” estarem nomeados, deverá ser “Grand Budapest Hotel” a ganhar esta categoria. Segundo a empresa de clipping Cision, o filme de Wes Anderson foi o mais mediático nos meios de comunicação sociais a nível mundial e a mirabolante história de Gustave H. é original até à medula.  

Melhor Argumento adaptado 

“O Jogo da Imitação” pode ter aqui o seu Oscar de consolo. Mas não é certo porque há outros nomeados nessa situação: “Whiplash”, “Foxcatcher” e, se não estiver eleito para nada no final da gala, “Sniper Americano”.  

Melhor Actor Secundário

O favorito parece ser J. K. Simmons (“Whiplash”), mas Edward Norton (“Birdman”) e Mark Ruffalo (“Foxcatcher”) estão muito bem posicionados. A disputa não vai ser fácil. 

Melhor Actriz Secundária

Com esta nomeação, Meryl Streep acumulou a sua 19.ª indicação para um Oscar. Mas não deverá ser ela a ganhar. Patricia Arquette é a favorita e em todos os prémios para onde esteve nomeada por “Boyhood” não perdeu nenhum. E esta situação não deverá mudar hoje à noite. 

alexandra.ho@sol.pt