Sociedade

Índia desrespeita acordo com Portugal

O cidadão indiano Abu Salem, extraditado por Portugal para a Índia em 2005, foi condenado hoje em Bombaim a prisão perpétua por assassínio, uma pena que viola o acordo de extradição entre os dois países.

Um tribunal de Bombaim anunciou hoje a sentença, depois de em Fevereiro ter considerado Salem culpado do homicídio do empreiteiro Pradeep Jain, em 1995, segundo a agência indiana Press Trust of India (PTI).

 

"Abu Salem é condenado a prisão perpétua pelas ofensas de homicídio e conspiração criminosa", disse o juiz G. A. Sanap, citado pela PTI.

 

Salem, alvo de vários processos judiciais na Índia, incluindo um por alegada participação nos atentados à bomba que em 1993 mataram 257 pessoas em Bombaim, foi detido em Lisboa em 2002.

 

A Índia pediu a Portugal a extradição do suspeito, o que foi autorizado na condição de Salem não ser condenado a pena de morte ou prisão perpétua.

 

Em Dezembro passado, o advogado de Salem em Portugal, Manuel Luís Ferreira, disse à agência Lusa ter intentado uma acção para obrigar o Estado português a exigir o retorno de Salem a Portugal por violação do acordo de extradição.