Economia

Vários governantes europeus demitiram-se por dívidas ao Estado

Ao longo dos últimos anos, foram muitos os governantes europeus que pediram a demissão por dívidas ao Estado, desde casos complexos como fugas ao fisco a “simples” falta de pagamento de contribuições.


O jornal Económico refere casos como demissões no Executivo de Hollande (França) e de Merkel (Alemanha) por ligações a contas em bancos suíços. O mesmo aconteceu na Irlanda, quando o ex-primeiro-ministro foi demitido por fraude fiscal e suspeitas de favorecimentos. Isto sem falar no caso de Berlusconi, o antigo primeiro-ministro italiano condenado por fraude fiscal.

Há ainda o caso de uma ministra da Cultura sueca que, em Outubro de 2006, confessou não ter pago a taxa audiovisual durante 16 anos, isto é, devia ao Estado quase três mil euros. Cecilia Stego Chilo também não pagou as contribuições sociais da empregada doméstica. Este último motivo também levou à demissão de uma outra colega de governo de Chilo.

Uma das baixas do actual Executivo francês também se deveu por dívidas ao Estado. Thomas Thévenoud foi Ministro do Comércio durante apenas nove, altura em que se descobriu que durante três anos consecutivos não entregou a declaração de impostos. Nem o facto de ter pago o que devia “salvou” esta jovem promessa do Governo de Hollande.

O mesmo jornal recorda ainda um caso nacional, que remonta a 1997. António Vitorino, na época ministro da Defesa, pediu a demissão quando surgiram rumores – que depois se provaram falsos – a falta de pagamento de um imposto sobre a compra de uma casa, adquirida antes de fazer parte do Executivo de Guterres.

Desde este fim-de-semana que Pedro Passos Coelho está a ser alvo de duras críticas por não ter pago durante cinco anos a Segurança Social. O primeiro-ministro alegou que “não tinha consciência da obrigação” e que logo que soube que estava em dívida regularizou a situação, tendo pago cerca de quatro mil euros.