Sociedade

Força Aérea aguarda inquérito sobre caso de bullying

A Força Aérea Portuguesa aguarda a conclusão do inquérito da Polícia Judiciária Militar para se pronunciar sobre um alegado caso de 'bullying' ocorrido na base Aérea de Beja com um jovem militar, que se terá suicidado.

O porta-voz da Força Aérea Portuguesa, coronel Rui Roque, disse hoje à agência Lusa que, "mediante as conclusões a que esse inquérito chegue, a Força Aérea agirá em conformidade".

De acordo com uma notícia hoje publicada pelo Correio da Manhã, "um militar de 23 anos terá sido vítima de 'bullying' pelos 'maneirismos femininos', por ser considerado homossexual" e foi encontrado enforcado no quarto onde dormia.

Fontes militares citadas pelo jornal referiram que a alegada homossexualidade do jovem "era alvo de chacota constante dentro da Base Aérea" de Beja e terá atingido o seu limite na madrugada da passada quinta-feira, numa festa do clube de praças, quando a pressão psicológica terá sido levada "ao extremo".

Na manhã seguinte, relata o jornal, o corpo da vítima foi encontrado enforcado no alojamento masculino.

O militar tinha sido colocado na Base Aérea de Beja há cerca de três semanas. 

Lusa/SOL