Opiniao

Registos (IX)

1. De novo fora. Na passada semana escrevi-vos de Bogotá. Hoje escrevo-vos de Macau. Vim aqui promover um novo programa da minha universidade destinado a estudantes internacionais que tenham completado  o ensino secundário - o Nova International Foundation Program. O Estatuto do Estudante Internacional foi a melhor iniciativa para o ensino superior  tomada pelo Governo em toda a legislatura. Aproveitá-la requer, contudo, abordagens que só agora as universidades portuguesas estão a desenvolver. No que toca à China, pelo que me foi dado observar, a Universidade de Coimbra leva a palma a todas.

DR  

2 . Excelência. Em Macau visitei longamente a Escola Portuguesa (EPM), acompanhado pacientemente pelo presidente da Direção, Dr. Manuel Machado, e pela vice-presidente, Dra. Zélia Meiro. Orgulho é a palavra que melhor descreve o sentimento que os três partilhámos. Os membros da Direção da EPM, pela óbvia qualidade extraordinária do projecto educativo a que dedicaram mais de vinte anos das suas vidas. O visitante, por ver mais uma instituição educativa portuguesa desenvolver um trabalho de excelência. Lições: a EPM (que não é uma escola pública no sentido estrito) tem um projecto educativo claro, autonomia pedagógica e administrativa, e responsabilização da sua direcção. As três chaves do sucesso.

3 . Uma boa proposta. O Partido Socialista propôs que o governador do Banco de Portugal passasse a ser nomeado pelo Presidente da República, sob proposta do Governo e depois de uma audição parlamentar seguida de voto vinculativo. Acho bem! Reforça a independência e a credibilidade do Banco de Portugal. Duas notas, contudo. Estou seguro que o actual governador teria passado por este crivo. Ainda assim, trata-se de uma proposta referente a um aspecto bastante marginal, de reduzido impacto enfim, quase um fait divers. Ao fazê-la, o PS está preocupado não tanto com a arquitectura das instituições mas antes com o condicionamento da pessoa do novo Governador.