Internacional

Argélia retira 160 pessoas do Iémen devido à insegurança

A Argélia retirou no sábado 160 dos seus cidadãos do Iémen, na sequência da deterioração da situação de segurança naquele país, bombardeado há mais de uma semana por uma coligação árabe, anunciou a agência de notícias APS. 


A operação foi realizada após decisão do Presidente, Abdelaziz Bouteflika, que "acompanhou o progresso nos últimos dias" do repatriamento dos argelinos, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Ramtane Lamamra.

A mesma operação permitiu retirar do Iémen 40 tunisinos, 15 mauritanos, oito líbios, três marroquinas e um palestiniano, segundo a agência de notícias. 

As pessoas foram retiradas a partir da capital iemenita, Sanaa, via Cairo, no Egito, a bordo de um avião da Air Algerie, segundo a APS. 

A Argélia, que tem um dos maiores exércitos do mundo árabe, recusou participar na operação militar lançada no Iémen por uma coligação conduzida pela Arábia Saudita. 

A constituição argelina proíbe o exército do país de levar a cabo operações no estrangeiro. A Argélia já recusou intervir contra os grupos 'jihadistas' nos países vizinhos do Mali e Líbia.

Lusa/SOL