Internacional

Lufthansa não informou autoridades dos transtornos psíquicos de Lubitz

A companhia aérea alemã Lufthansa não informou as autoridades do tráfico aéreo dos transtornos psíquicos de que padecia Andreas Lubitz, o co-piloto que presumivelmente provocou de forma deliberada a queda do Airbus da Germanwings com 150 pessoas a bordo.

A informação é avançada hoje pelo jornal alemão Die Welt, que cita fontes do departamento de Tráfego Aéreo sobre o processo do co-piloto, que em 2009 retomou a sua formação na escola da Lufthansa, depois de aparentemente ter superado um episódio de depressão grave.

"Não é certo que o departamento federal de Tráfego Aéreo (LBA) estivesse informado da situação médica" de Andreas Lubitz, indicou ao Die Welt uma fonte do organismo.

Segundo esta versão, a LBA teve acesso pela primeira vez às atas médicas do Centro Médico da Lufthansa a 27 de Março, três dias depois da queda do Airbus A320 da Germanwings nos Alpes.

O jornal sublinha que a Lufthansa, casa-mãe da Germanwings, estava obrigada a comunicar casos médicos considerados graves, como uma depressão, devido a uma normativa imposta em 2013.

Desde 2009, quando Lubitz retomou a sua formação como piloto depois de um tratamento de vários meses contra a depressão, o co-piloto passou seis inspecções médicas, nas quais se certificou que era apto para pilotar.

Outro jornal alemão, o Bild, noticia hoje que a maioria dos pilotos que sofrem de depressão ocultam-no, de acordo com a informação do director do departamento médico da Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO, em inglês), Anthony Evans.

Lusa/SOL