Internacional

Policia norte-americano mata homem negro pelas costas [vídeo]

Um polícia do estado norte-americano da Carolina do Sul foi esta quarta-feira acusado de homicídio, depois de ter sido divulgado um vídeo que o mostra a balear mortalmente um homem negro pelas costas. Uma série de mortes de negros desarmados às mãos de agentes da autoridade tem indignado a opinião pública.

O vídeo foi entregue à família do morto por uma pessoa que não está identificada e mostra Michael Thomas Slager, um agente da cidade de North Charleston, a disparar oito tiros nas costas de Walter Lamer Scott enquanto este foge. O homem, de 50 anos, cai depois de o oitavo tiro ser disparado.

É mais um caso no meio do debate que o país trava sobre a confiança entre a polícia e algumas das suas comunidades. E ainda com a recordação recente dos protestos que varreram o país após os tiros fatais de polícias que mataram Michael Brown, de 18 anos, em Fergusson, Missouri, e asfixiaram até à morte Eric Garner, em Nova Iorque. A fúria cresceu depois de tribunais de júri não terem indiciado os policias brancos que os mataram.

No actual caso, foi o presidente da Câmara da cidade que, em conferência de imprensa, anunciou a acusação contra Slager. As autoridades relataram que Scott foi baleado no sábado, depois de o polícia lhe ter acertado com uma taser  e de ter sido mandando parar por uma falha na luz de travão do carro que conduzia.

"E se não houvesse vídeo?"

O advogado da família de Scott está convicto de que o vídeo forçou as autoridades a agir depressa: “E se não houvesse vídeo? E se não houvesse testemunha, ou herói, como lhe chamo?”

Na segunda-feira, um advogado que então representava o polícia divulgou um comunicado onde afirmava que este se sentiu ameaçado porque Scott estava a tentar tirar-lhe a taser. Mas depois de o vídeo ter sido divulgado, abandonou o cliente.

Este mostra o homem a ser baleado pelas costas, a cair e o polícia a ordenar-lhe para por as mãos atrás das costas. Como não há resposta, Michael Slager puxa-lhe os braços para trás e algema-o, regressando ao local de onde tinha disparado, apanhando um objecto e deixando-o cair aos pés de Scott, que já estava morto.

Segundo o seu advogado, Walter Scott podia estar a fugir porque tinha pensões de alimentos em dívida, conduta que pode levar à prisão na Carolina do Sul. Era pai de quatro filhos, estava noivo e não tinha registo de conduta violenta.

Noutro caso também ocorrido no mesmo estado, em 2014, um polícia branco que matou um negro de 68 anos à entrada de sua casa foi condenado na terça-feira por um delito menor: o de disparar contra um veículo ocupado.

Um procurador tentou indiciar o agente Justin Craven por homicídio doloso, mas um tribunal de júri decidiu-se antes pela muito mais leve acusação por negligência.

 

AP/ SOL