Sociedade

Parlamento timorense pede a Portugal que reveja decisão de mandar regressar assessores

Uma delegação parlamentar portuguesa que parte sábado de Timor-Leste leva consigo um apelo do presidente do Parlamento Nacional timorense para reavaliar a decisão da Assembleia da República (AR) mandar regressar cinco assessores que estavam em Díli.


"É uma preocupação do parlamento timorense. Estivemos com o senhor presidente do Parlamento Nacional que nos transmitiu os seus pontos de vista e solicitou que fossemos portadores de uma mensagem sua para a senhora presidente", disse Arménio Santos (PSD), em nome da delegação de cinco deputados.

"Vamos empenhar-nos para que as preocupações do parlamento timorense possam ser ponderadas de forma positiva e construtiva por parte da Assembleia da República", disse.

Arménio Santos - acompanhado de António Almeida Santos (PS), Inês Teotónio Pereira (CDS-PP), João Ramos (PCP) e Helena Pinto (BE) - disse que não se trata de "voltar atrás" ou de assumir uma posição "contra o que foi decidido (...) em função do termo de uma disponibilidade daqueles quadros facultados ao parlamento timorense". 

Reconhecendo que o parlamento timorense continua a ter necessidade do apoio desses quadros, Arménio Santos disse que a Assembleia da República "tem de facto alguns constrangimentos em termos de recursos humanos, especialmente ao nível de quadros superiores".

"Esta é uma questão política que consideramos que deve ser bem ponderada por parte da AR. Não temos dúvida nenhuma que esta questão vai ter por parte da senhora presidente o devido tratamento", afirmou.

Lusa/SOL

Os comentários estão desactivados.