Cultura

Quem vai ocupar o trono?

Milhões de pessoas no mundo inteiro aguardam ansiosas a chegada do Inverno. O desejo pode soar estranho, principalmente quando a Primavera começou há apenas três semanas, mas quem acompanha A Guerra dos Tronos sabe bem do que se fala aqui. 'Winter is coming' é o presságio mais repetido pelas personagens e, a cada nova temporada, com a sua aproximação, acentua-se a luta pelo trono de Westeros. Pois bem, o quinto capítulo da série mais vista de sempre na história da televisão mundial regressa aos ecrãs portugueses, no canal por cabo Syfy, na segunda-feira, dia 13, apenas um dia depois da estreia nos Estados Unidos.
 

Fazer coincidir o máximo possível as datas de estreia dos países que exibem o programa foi a forma encontrada pela HBO para combater o excesso de downloads ilegais de que a produção é alvo. Segundo dados do site TorrentFreak, que segue de perto a pirataria online no mundo, A Guerra dos Tronos foi a série mais descarregada em 2014, com mais de oito milhões de downloads. Uma das razões apresentadas pelos fãs da saga - que conta a história de sete famílias que lutam pelo poder dos Sete Reinos de Westeros, onde os Verões duram décadas e os Invernos uma vida inteira - foi o atraso que existia na exibição dos episódios face aos EUA. Por isso, este ano, a HBO decidiu estrear o primeiro episódio da quinta temporada em 170 países em simultâneo, numa acção inédita em televisão.

Se, com esta manobra, a pirataria reduzir, os números da quinta temporada serão ainda mais esmagadores. Com a quarta, só nos Estados Unidos, a série conquistou uma média de 18,4 milhões de telespectadores por episódio, ultrapassando os números do antigo detentor do 'trono' de audiências: Os Sopranos. Estes dados são da própria HBO, logo não contabilizam as pessoas que assistiram ao programa por download ilegal.

Mas o que torna esta obra, inspirada nos livros As Crónicas de Gelo e Fogo, do norte-americano George R. R. Martin, tão especial? Segundo os críticos de televisão britânicos e norte-americanos, é unir o género fantasioso com uma saga histórica medieval, inspirada em várias lendas e mitos antigos. Dragões, feiticeiros e videntes com sonhos proféticos podem a qualquer momento intensificar ainda mais a intriga. Mas não só. Segundo o jornalista Ken Tucker, colaborador habitual da BBC e do New York Times, os produtores foram inteligentes ao juntar a todo este universo o ritmo alucinante de um thriller, com doses fortes de violência e de sexo.

Em A Guerra dos Tronos nenhum personagem está a salvo - já desapareceram três reis, assassinados por colaboradores próximos, e outras tantas figuras principais - e grande parte deles já  apareceu despido. Há quem tenha feito as contas: em média, a série mostra uma cena de sedução, sexo ou nudez a cada 30 minutos e, nas quatro temporadas exibidas, já se contabilizou uma hora e 13 minutos de erotismo, desde simples nus até orgias, sem se discriminar géneros, etnias ou graus de parentesco. Logo no primeiro episódio surge uma cena de incesto entre duas personagens principais. Tucker acredita que este não é o único chamariz da história: o facto de o espectador fantasiar que todos os problemas se podem resolver com uma espada, ao melhor estilo épico de Ben-Hur, atrai as pessoas. E Sarah Hughes, crítica de televisão do Guardian, salienta que nunca a expressão 'an eye for an eye' teve tanto significado como em A Guerra dos Tronos. Além desses trunfos, conta com um argumento bem escrito, capaz de conter inúmeras camadas de detalhes históricos sem nunca perder o fio à meada.

Política no ecrã e fora dele

A popularidade da série é tão grande que há quem a use para passar mensagens políticas. No Verão do ano passado, a Rainha de Inglaterra visitou um dos locais das filmagens, em Belfast, na Irlanda do Norte, e uns meses depois, na mensagem de Natal, falou da experiência para acentuar questões internas do Reino Unido. «Os benefícios da reconciliação foram claros de ver quando visitei Belfast», disse a monarca, insinuando o estreitar das relações entre os dois governos.

Uma coisa que Isabel II não fez, porém, foi sentar-se no Iron Throne (Trono de Ferro), peça central da série. E, provavelmente, foi a melhor decisão. Na ficção, todos reivindicam o trono, mas quem lá chega tende a não durar muito tempo. Na temporada anterior, o seu último ocupante, Joffrey Baratheon, foi envenenado no próprio casamento e o avô, que ficou como governante regente, foi assassinado pelo filho mais novo, depois de o ter humilhado vezes sem conta só por este ser anão. Com o desaparecimento de tantas personagens principais, o pouco que já se sabe sobre a nova temporada é que será um momento de novas alianças.

Os livros de George R. R. Martin são bestsellers há muito e o quinto volume está disponível também em português. No entanto, este será o último ano em que os espectadores podem antecipar os acontecimentos, uma vez que o escritor já assumiu que não consegue acompanhar o ritmo da série e quando a sexta e a sétima temporada chegarem ele ainda não terá acabado de escrever as próximas aventuras. A produção está rodeada de grande secretismo e os escritores fazem de tudo para baralhar até os próprios actores.

Ao Telegraph, Alfie Allen (irmão mais novo da cantora Lily Allen e que dá vida a Theon Greyjoy) contou que já recebeu um guião falso, onde descobria que a sua personagem iria morrer em breve. «Só ao fim de três semanas é que me disseram que era mentira. Estamos sempre um pouco ansiosos porque, a qualquer momento, pode ser o nosso último dia de filmagens», revelou. Já Maisie Williams, que dá vida à adolescente Arya Stark, comentou ao jornal britânico que logo nos primeiros dias de gravações da primeira temporada apercebeu-se de como a «série é tão violenta». «Mas, no final do dia, mortes horríficas dão sempre grandes desenvolvimentos».

É por isso fácil de adivinhar que a nova temporada trará mais mortes. O produtor Bryan Cogman levanta mais um pouco do véu: «Um denominador comum nesta temporada para quase todos os protagonistas é o facto de se sentirem estranhos, numa terra que não conhecem - queira isso dizer que eles estão, fisicamente, numa terra diferente ou numa situação em que têm de se comportar como nunca o fizeram antes». E mais não revela. Não há drama. O Inverno começa já na segunda-feira e promete ser dos mais gélidos que Westeros já viveu.

alexandra.ho@sol.pt