Sociedade

Kasparov, Papandreou e Fukuyama no regresso das Conferências do Estoril

Depois de Tony Blair (2009), Lech Walesa (2013) ou Mohamed ElBaradei (2011), as Conferências do Estoril vão regressar, entre 19 e 22 de Maio, com a participação de figuras como ex-campeão do mundo de xadrez e activista russo, Gary Kasparov, o antigo secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, ou José Manuel Durão Barroso.
 

Será a quarta edição do encontro bienal, onde se pretende “fazer a ponte entre o fórum económico de Davos e o fórum social de Porto Alegre”, como explicou hoje na apresentação do programa o autarca de Cascais, Carlos Carreiras.

A lista de presenças conta ainda com nomes como o do ex-chefe do Governo grego, Georgios Papandreou, o presidente da Câmara de Deputados do Brasil, Eduardo Cunha, ou o autor norte-americano Francis Fukuyama, que depois de ter participado nas conferências de 2011 foi o vencedor do prémio Estoril Global Issues Distinguished Book Prize 2015 pelo livro “Ordem Política e Decadência Política - Da Revolução Industrial à Globalização da Democracia”.

Os desafios da globalização dão origem a quatro dias de debate, com os dois primeiros centrados maioritariamente nos desafios para as gerações mais jovens. As Conferências do Estoril 2015 abrem com a Cimeira da Juventude, um ponto que preenche todo o primeiro dia do programa e que terá como convidado especial o Prémio Nobel da Paz e ex-Presidente de Timor-Leste, José Ramos Horta.

Segue-se uma manhã dedicada à Educação, seguida por uma mesa redonda onde embaixadores discutirão a posição de Portugal perante o fenómeno da globalização na presença do Ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete. No mesmo dia (20), o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, participará num debate que será liderado pelo anfitrião Carlos Carreiras e que tem como tema “Resolvendo os problemas globais num mundo em rede”.
O segundo dia do evento terá ainda a intervenção de Moisés Naim, pensador venezuelano e autor do ‘best-seller’ “The End of Power", e de uma conferência intitulada “Lições da crise grega”, onde falará o antigo líder dos socialistas do PASOK e ex-primeiro-ministro, Georgios Papandreou.

Um debate sobre a desigualdades, que, entre outros, contará com Pedro Conceição (do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e com o membro da britânica Câmara dos Lordes, Robert Skidelsky, abrirá o terceiro dia de trabalhos. O mesmo dia que assistirá a um balanço das relações entre a Europa e os Estados Unidos – “Aliança Antiga, Novas Responsabilidades” –, onde participará o ex-líder da NATO e o Embaixador da UE nos EUA, João Vale de Almeida. A organização espera ainda incluir nesse debate o actual autarca de Nova Iorque, Bill de Blasio, mas a sua presença ainda não foi confirmada.

Em situação idêntica está a entrevista a Elizabeth Wahl, correspondente em Washington da televisão russa RT que se demitiu em direto em março de 2014 recusando a linha editorial da televisão, que considerou “branquear” a intervenção da Rússia na Crimeia. Caso seja confirmada, será realizada no último dia da conferência, pelas 14h.
No último ponto do programa hoje apresentado será protagonista Gary Kasparov, uma das vozes mais mediáticas entre a silenciada oposição interna ao Presidente russo, Vladimir Putin.

*com Lusa