Opiniao

Finlândia: outro exemplo da má austeridade

A Finlândia, que se acotovelava com Passos Coelho pelo papel de 1º seguidor de Merkel na austeridade dura para os periféricos, lá teve agora eleições, numa situação económica calamitosa. O seu excesso de austeridade deu tão maus resultados como por cá, e o Governo foi parar a uma oposição liberal que não promete nada de melhor. Talvez os finlandeses mereçam sofrer tanto, como mereceriam os que por cá apoiam estas politicas.

Enquanto isso, temos o Nobel Krugman (odiado pelos austeritários) a pressionar a Grécia a não ceder à austeridade de Bruxelas e Berlim. E a escrever cá no Expresso, também contra essa austeridade, outra sumidade internacional da Economia, o economista belga Paul De Grauwe, líder do Instituto Europeu da London School of Economics. Cada vez me convenço mais de que Berlim, neste momento, o que mais teme é um exemplo de que outras politicas funcionem melhor – como quase de certeza sucederá.

De qualquer maneira, só a ideia de as experimentar (o que devia dar-lhes prazer, pelo menos como curiosidade, já que pior é impossível) os aterra. A ele e ao nosso Passos, à porta de eleições...