Internacional

Presidente da câmara do partido de Sarkozy pede proibição do Islão na França

Um presidente da câmara do partido União por um Movimento Popular pediu ao seu presidente e antigo chefe de Estado francês, Nicolas Sarkozy, que se pronuncie sobre a sua petição para proibir a prática da religião muçulmana em França.


"É a única solução para resolver os problemas da França", declarou Robert Chardon, presidente da Câmara de Venelles, em declarações em jornal Le Monde, hoje publicadas.

A resposta surge no seguimento de uma pergunta do jornal sobre uma mensagem que Chardon deixou na conta de Twitter de Sarkozy.

O representante de Venelles, que tem estado afastado da actividade pública nos últimos meses devido a um cancro, disse esperar "uma resposta de Nicolas Sarkozy à proposta". 

"Durante o meu tratamento, refleti muito e cheguei a esta conclusão. É preciso proibir os Islão na França mas também é preciso pôr em marcha um plano Marshall para permitir que os que querem praticar a religião muçulmana o façam nos seus países de origem", afirmou.

O líder municipal conservador defendeu mesmo que se cancele a lei que, desde 1905, estabelece os princípios do laicismo em França e sugeriu que o Estado passe a favorecer o cristianismo. 

Lusa/SOL