Sociedade

Nuno Artur Silva quer a RTP como incubadora de séries

"A RTP não tem que fazer audiências para gerar receitas. A RTP tem que criar públicos e tem que criar património”. Foi assim que Nuno Artur Silva, administrador da RTP com o pelouro dos conteúdos, explicou uma das missões da empresa pública de televisão a uma sala do CCB cheia de produtores que estavam a ouvir o que queriam. A administração da RTP que “pela primeira vez não foi nomeada por um governo” quer apostar na ficção, produzindo o género nobre (séries, documentários e filmes) e aliando-se aos melhores produtores de cada área, disse ontem à tarde Nuno Artur Silva, no 2º Encontro dos Produtores Independentes de Televisão.

Quanto à telenovela, que neste momento preenche o horário nobre dos três canais generalistas, o administrador da RTP e fundador das Produções Fictícias, disse que embora as telenovelas portuguesas “sejam cada vez melhores, são também cada vez mais monotemáticas , seguindo o modelo latino-americano sentimental”. E a “indústria da telenovela secou tudo à volta”. Nuno Artur Silva diz que a RTP tem a obrigação de estimular a criação de séries que sejam inclusive exportáveis para outros mercados, “ao exemplo do que aconteceu com a dinamarquesa Borgen, feita num país com 5 milhões de habitantes e numa língua que mais ninguém no mundo fala”. “Na medida das nossas disponibilidades orçamentais iremos apoiar cada vez mais a criação de ficção diversificada. Não vai ser feito de forma violenta, mas é uma mudança de atitude e uma mudança de paradigma”.

Nuno Artur Silva adiantou que haverá duas consultas anuais, um antes do Verão, outro no fim de cada ano, em que será possível durante 15 dias enviar propostas. Este ano, a primeira consulta será até fim de Junho.  E haverá sempre a oportunidade de os projectos serem entregues a qualquer altura aos directores de programas de cada canal e ao recém criado Departamento de Desenvolvimento de Conteúdos.  “A vantagem de haver este departamento, que foi para nos uma prioridade, é que os projectos vão ser lidos por muito mais gente”, disse Nuno Artur Silva.

E ao contrário da ideia de encomendar ou aceitar propostas acabadas de produtos, o administrador da RTP disse  que a empresa vai envolver-se activamente na concepção das séries “de modo a que os directores de programas trabalhem directamente com os produtores, definindo o que é melhor para ambas as partes”.

telma.miguel@sol.pt