Politica

Drago e Tavares disputam Lisboa

Ana Drago e Rui Tavares vão disputar o primeiro lugar em Lisboa da candidatura Livre/Tempo de Avançar.

O duelo entre os dois ex-bloquistas promete aquecer os bastidores das eleições primárias, marcadas para os dias 20 e 21 de Junho, de onde sairão os nomes dos candidatos que vão lutar por um lugar na Assembleia da República nas legislativas de Outubro.

Para já ninguém arrisca prognósticos, até porque Ana Drago e Rui Tavares gozam de facilidade em chegar aos eleitores do maior círculo eleitoral do país, que podem votar nestas primárias, desde que subscrevam as linhas programáticas, o documento de orientação política e o código de ética do partido, até 15 de Junho. “Qualquer um deles tem hipóteses de liderar uma lista, neste caso em Lisboa”, nota um dirigente do Livre/Tempo de Avançar, plataforma eleitoral que junta Livre, Fórum Manifesto, Renovação Comunista e MIC-Porto.

Ana Drago, da Fórum Manifesto, um dos grupos fundadores do BE, foi eleita pelos bloquistas para São Bento entre 2002 e 2011, sempre por Lisboa. Nas últimas autárquicas, em 2013, foi uma das quatro eleitas para a Assembleia Municipal da capital, cargo a que viria a renunciar no ano passado.

O regresso ao Parlamento, onde teve assento nove anos, não está ainda assegurado e será disputado até ao último voto com Rui Tavares, que tem disponibilidade para se estrear em São Bento, depois de uma passagem pelo Parlamento Europeu, para onde foi eleito também pelas listas do BE em 2009.

Jorge Wemans e José Vítor Malheiros, fundadores do Público, são também candidatos a deputados por Lisboa e prometem chamar até si o voto nas primárias.

Candidatos estrela pelo país

A expectativa do Livre/Tempo de Avançar é a de eleger um grupo parlamentar (dois deputados ou mais), mesmo face à previsível fragmentação de votos à esquerda. Os candidatos têm até ao próximo dia 27 para formular a sua candidatura. O prazo terminava ontem, mas foi alargado em virtude de não terem aparecido candidatos em número suficiente (274) para assegurar que a plataforma consiga ir a votos em todos os círculos eleitorais, incluindo Açores, Madeira, Europa e América.

Até lá, mais nomes deverão juntar-se ao advogado Ricardo Sá Fernandes, que tenta a candidatura pelo Porto; à actriz São José Lapa e à médica Isabel do Carmo, que querem ir a votos por Setúbal; ao economista e ex-secretário de Estado de Guterres José Reis e ao sociólogo Elísio Estanque, que disputam a lista de Coimbra.

Daniel Oliveira, ex-BE e dirigente da Fórum Manifesto, não se candidatou às primárias da plataforma em que está envolvido por decisão pessoal.

ricardo.rego@sol.pt