Internacional

David Cameron garante que não vai dificultar a integração da zona euro

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, admitiu hoje em Paris que quer mudar a União Europeia para a tornar mais flexível, mas reiterou que não pretende dificultar a integração da zona euro.

"O 'status quo' [da União Europeia} não é satisfatório", afirmou David Cameron, numa declaração sem direito a perguntas dos jornalistas em Paris, juntamente com presidente francês, François Hollande, com quem esteve reunido.

O chefe do Governo britânico, que foi recentemente reeleito com maioria absoluta, explicou que a sua prioridade é "reforçar a União Europeia para torná-la mais competitiva e para que responda às preocupações do povo britânico".

Cameron garantiu que pretende que "a zona euro funcione melhor" e disse que, por isso mesmo, não tem interesse nenhum "em criar obstáculos a uma maior integração" dos países da moeda única.

No entanto, o primeiro-ministro do Reino Unido realçou que os britânicos têm "prioridades diferentes", concluindo que, para responder a estas diferenças, "o que importa é que a UE seja mais flexível".

Já o presidente francês, por seu lado, disse que "França quer que o Reino Unido continue na União Europeia" porque "o interesse da Europa e do Reino é continuarem juntos".

François Hollande reconheceu que, uma vez que Cameron prometeu um referendo sobre a questão, devem ser os britânicos a decidir "de forma soberana", sem falar sobre as concessões que espera do governante do Reino Unido.

O chefe de Estado francês disse que os dois países têm interesses comuns e referiu-se à defesa, às responsabilidades internacionais como membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, à "luta contra o terrorismo" e ao acordo que esperam conseguir na conferência sobre as alterações climáticas, que vai acontecer em Paris em dezembro.

Lusa/SOL