Desporto

Acabou o segundo maior jejum da história do Sporting

Seis anos, nove meses e 16 dias depois, o Sporting voltou a conquistar um troféu. A vitória de hoje na final da Taça de Portugal fecha o segundo maior jejum de títulos da história do clube, que durava desde 16 de Agosto de 2008, quando os ‘leões’, sob o comando de Paulo Bento, bateram o FC Porto na Supertaça, por 2-0, com golos de Yannick Djaló.

Ao fim de 2480 dias, o emblema de Alvalade volta a ter motivos para festejar, igualando os ‘dragões’ com um total de 16 Taças de Portugal, menos nove do que o Benfica. 

“O Sporting não conquista um troféu há sete anos e queremos quebrar essa barreira. Queremos mudar a história”, dizia o técnico Marco Silva no lançamento da partida, ele que se tornou o primeiro treinador leonino desde o romeno Laszlo Boloni, em 2001/02, a vencer uma competição na época de estreia.

A travessia do deserto que agora termina não só era a segunda maior do Sporting como já ameaçava a mais longa. A ponto de esta ser a última oportunidade para evitar a “ultrapassagem”.  

Após a vitória na Supertaça de 1987, concretizada a 20 de Dezembro com um segundo triunfo sobre o Benfica (a prova jogou-se em duas mãos nesse ano), os ‘leões’ só voltariam a erguer um troféu a 10 de Junho de 1995, com a conquista da Taça de Portugal frente ao Marítimo, graças a dois golos de Iordanov.

Tinham passado 2729 dias entre um e outro título - ou sete anos, cinco meses e três semanas. E faltavam agora 250 dias para esse recorde indesejado ser superado. Seria uma questão de tempo, uma vez que o próximo título que o Sporting poderá discutir é a Taça da Liga e a final não se jogará antes disso. Rui Patrício, Slimani, Montero e companhia não deram apenas a 16.ª Taça de Portugal como desviaram o clube do período mais negro da sua história no que respeita a troféus.