Sociedade

Começou corrida para ficar com Oceanário

O Grupo Aspro Parks tornou-se hoje o terceiro concorrente a assumir publicamente o seu interesse no Oceanário de Lisboa.


“É um excelente activo, de primeiro nível da Europa”, explicou ao SOL Javier Carbajo, diretor-geral do grupo, presente em Portugal há 15 anos, no o Aqualand Algarve, em Alcantarilha, e que gere actualmente aquários em 12 países da Europa, como o L’ Aquarium, de Barcelona, por exemplo. “Potenciar o número de visitantes” e “o conhecimento existente na equipa que gere o oceanário” são os dois principais objectivos deste grupo, baseado em Espanha.

A família Soares dos Santos é outro dos interessados na concessão – para a qual o Governo está a receber candidaturas até 12 de Junho – , e vai criar um Fundação para o Oceano, que tem como objectivo o estudo do mar, enquanto pilar de sustentabilidade. Neste caso,  o objectivo não é ter lucro mas investir num centro mundial de conservação e conhecimento dos oceanos.

Também a Mundo Aquático SA, dona do Zoomarine, na Guia, também no Algarve, já assumiu querer ficar com o Oceanário por 30 anos, conforme prevê o Governo. “O Oceanário é um orgulho nacional, um ‘ex libris'. Sabemos que entre 20% e 25% dos turistas que visitam Lisboa vão ao Oceanário”, explicou ao Diário Económico Pedro Lavia, CEO da Zoomarine. 

“Cremos que temos capacidade para gerir o Oceanário, para manter o modelo e a filosofia da gestão do Oceanário, que tem sido conseguida com profissionais excelentes, mas agora com a abordagem de uma empresa privada, que não é melhor nem pior do que a de uma empresa pública, mas é necessariamente diferente”, acrescentou Pedro Lavia, lembrando que a Zoomarine tem uma experiência de gestão de parques temáticos de cerca de 25 anos.

Além destas propostas assumidas, já vieram a público nomes de outros grupos interessados no Oceanário, cuja concessão deverá ser anunciada em Julho.

A também espanhola Parques Reunidos, a britânica Merlin Entretainments, que gere o Sea Life, no Porto, os donos do Aquário de Génova, e os accionistas do Aquashow, em Quarteira serão outros interessados na compra da concessão. Até o nome da Disney já veio a público como possível interessado no aquário, considerado o segundo melhor do mundo e que gerou, no ano passado, lucros de 1,49 milhões de euros.

sonia.balasteiro@sol.pt

Os comentários estão desactivados.