Vida

Julho vai chegar mais tarde (e os mercados vão ficar nervosos)

O procedimento faz-se regularmente para alinhar o tempo na Terra. Já que existem algumas discrepâncias entre os relógios no nosso planeta e a nossa rotação em torno do sol, é necessário fazer regularmente pequenos ajustes nos relógios atómicos para que as 13h continuem a ser a hora do almoço ou as 18h a hora de saída do emprego. A existência de anos bissextos também cumpre essa função.

Pois bem, este ano um grupo de físicos britânicos vai ajustar o relógio atómico do Laboratório Nacional de Física, em Londres, às 23h59 do próximo dia 30. Vão acrescentar um segundo adicional exactamente àquela hora. Por isso, excepcionalmente, a próxima terça-feira irá terminar às 23:59:60 h, em vez de às 23:59. A passagem para as 0h00 do dia 1 fica, por isso, atrasada um segundo.

A última vez que um ajuste destes aconteceu foi numa noite de sábado em Junho de 2012. Alguns computadores entraram em pane, com o segundo adicional a não ser reconhecido por alguns servidores onde sites como o Reddit e o Linkedin estão alojados. As duas redes sociais tiveram problemas. Mas, como o ajuste foi feito na Europa, outros pontos do globo onde o dia já ia longo sofreram consequências maiores: na Austrália, o sistema de check-in da companhia aérea nacional, a Qantas, deixou de funcionar e houve mais de 400 voos cancelados.

Mas quem está mais preocupado são os mercados financeiros. Quando aquele segundo for acrescentado, as sessões bolsistas na Ásia e na Oceânia estarão a meio e na Costa Oeste dos EUA estarão no fim. Alguns analistas prevêem (mais) um caos nas bolsas no dia 1.

ricardo.nabais@sol.pt