Opiniao

Sondagens

Como os meus leitores sabem, não tenho o hábito de comentar sondagens.

Sondagens

Primeiro, porque nem todas merecem crédito.

Segundo, porque não faz qualquer sentido comentar uma sondagem a dois anos das eleições.

Ou mesmo a um ano.

Ou mesmo a seis meses.

Recordo que, nas últimas legislativas, o PS ia bem colocado nas sondagens - e o vento só virou depois do debate televisivo entre Sócrates e Passos Coelho, que este venceu com clareza.

Portanto, comentar sondagens individualmente é uma inutilidade.

Uma perda de tempo.

Os comentários sobre sondagens só terão algum interesse se se debruçarem sobre tendências e tiverem em conta períodos alargados.

E é exactamente neste sentido que venho falar hoje do assunto.

Quando António Costa tomou conta do PS, há nove meses, os valores deste partido dispararam.

O líder socialista foi acolhido com grande expectativa - e as sondagens reflectiram esse sentimento.

Mas cedo começaram a cair.

Porque António Costa começou logo a desiludir.

A ideia que tínhamos dele era a de um político sólido, seguro, capaz de definir um rumo e segui-lo de forma consistente.

Ora, quando António Costa começou a aparecer mais, revelou inesperadas fragilidades.

Um dia mostrou que tinha um discurso para os portugueses e outro para os chineses.

Outro dia saudou a vitória do Syriza - para uns tempos depois falar dele como um grupo de “tontos”.

A dada altura avançou com propostas de alteração à TSU - mas logo a seguir recuou, perante os protestos de muitos militantes.

Enfim, Costa revelou-se um político ziguezagueante e muito pouco seguro.

A imagem de solidez do líder socialista esboroou-se, pois, em pouco tempo - e a evolução das sondagens reflectiu essa quebra.

Apesar disso, o PS andou muito tempo à frente da soma dos votos dos partidos da coligação, pois as pessoas estavam fartas da austeridade e queriam alguém que lhes desse esperança.

Sucede que, com a passagem do tempo, o Partido Socialista continuou a descer e a coligação começou a recuperar.

E assim chegámos ao momento actual, em que PS e coligação estão praticamente empatados.

Agora, a pergunta que todos fazem é esta: como vão evoluir as coisas até às eleições?

O PS vai outra vez distanciar-se e a coligação cair - ou passar-se-á o contrário?

A minha opinião é clara: com o aproximar das eleições, a coligação vai crescer e o PS vai manter ou perder votos.

Pensando num gráfico, temos a linha do PS a descer e a linha da coligação PSD/CDS a subir - pelo que, se a tendência se mantiver, dentro de pouco tempo a coligação começará a estar consistentemente à frente do PS.

Até porque há mais dois factores a ter em conta:

1. A raiva das pessoas ao Governo, que atingiu o ponto máximo em 2013, tende a esbater-se;

2. Os eleitores começam a pensar: “Estes, pelo menos, já conhecemos; e os outros podem vir a deitar os nossos esforços por água abaixo”.

Perante este quadro, quais são as armas que o PS tem para jogar?

Que a troika fez mal ao país?

Que a dívida pública cresceu, o PIB caiu, o desemprego aumentou, etc.?

Mas a troika já saiu de Portugal, são águas passadas - e depois da queda provocada pelas políticas de austeridade todos os indicadores começaram a melhorar.

Portugal recuperou a credibilidade internacional e os juros da dívida baixaram drasticamente.

A confiança no Estado foi restaurada.

A economia voltou a crescer e as exportações, após um período de adormecimento, tornaram a arrebitar.

O desemprego está a diminuir, situando-se ao nível do que estava antes da troika.

Por onde poderá, então, o PS pegar?

Pela dívida pública, que de facto aumentou muito?

Mas os socialistas defendem a flexibilização do défice - e, se isso acontecer, a dívida aumentará ainda mais…

Acresce que, em Maio, a dívida baixou pelo segundo mês consecutivo.

E há ainda o fantasma grego. Estão à vista os problemas de eleger um partido que promete mundos e fundos mas depois não tem como cumprir as promessas.

Claro que o PS não é o Syriza - mas os comentários de apoio à Grécia de muitos responsáveis socialistas não deixam os eleitores descansados.

Neste contexto, repito o que já disse: parece-me que a coligação vai ganhar as eleições.

E pode muito bem sonhar com a maioria absoluta.

De um lado está um Governo que já mostrou resultados - doutro lado está um partido cujas promessas, além de suscitarem reservas, podem assustar muita gente.

Os comentários estão desactivados.