Economia

Gestora da Toyota detida por ‘encomendar droga’ demitiu-se

      

Tsutomo Agechi / Kyodo News / AP

Do céu ao inferno em menos de três meses. Julie Hamp tornou-se a primeira mulher a chegar à cúpula da Toyota, Abril. Agora, depois de ter sido detida pelas autoridades japonesas por alegadamente encomendar um medicamento ilegal, a directora norte-americana responsável pela comunicação e relações públicas demitiu-se da Toyota.

Em comunicado, a Toyota confirmou a notícia da demissão, mostrando de certa forma alívio pela mesma: “A Toyota Motor Corporation aceitou a resignação depois de considerar as preocupações e incómodo que os acontecimentos recentes causaram aos accionistas”.

Julie Hamp foi detida a 18 de Junho, num hotel de Tóquio, após ter sido encontrada uma caixa de 60 comprimidos de oxicodona numa encomenda sua vinda dos Estados Unidos. A ‘droga’ estava escondida no meio de jóias e outros adereços. Apesar de ser um medicamento analgésico comum nos Estados Unidos e noutros países, a lei restritiva do Japão levou as autoridades a actuarem imediatamente.

Poucos dias depois da detenção da gestora, a Polícia japonesa fez mesmo uma rusga nos escritórios centrais da Toyota em Tóquio e na cidade junto a Nagoia e à principal fábrica da marca de automóveis, que também tem o nome de Toyota. Na altura a empresa confirmou as buscas, mas não foram revelados os motivos da acção policial.

Desde o início deste processo, a Toyota esteve do lado de Julie Hamp, com o presidente Akio Toyoda a afirmar que acreditava que a executiva não tinha noção de que estava a cometer uma ilegalidade. Reconheceu também que talvez a empresa devesse ter ajudado mais na mudança da directora para o Japão.

Julie Hamp continua detida desde o dia 18, podendo ficar nessa situação sem acusação formada até ao dia 8 de Julho, quarta-feira da próxima semana. Para o seu lugar vai Shigeru Hayakawa, que ocupa um lugar acima na hierarquia da Toyota, desde sempre muito masculina e ‘nacionalista’.

Este caso acaba por ser um duro golpe nas aspirações das mulheres e de ‘estrangeiros’ a cargos de topo em empresas japonesas. Julie Hamp foi a primeira mulher, e a primeira pessoa do Ocidente a chegar tão alto na Toyota, mas por pouco tempo. 

emanuel.costa@sol.pt