Tecnologia

E se o seu carro tivesse um aspirador como travão?

A Autoliv, uma empresa sueca especializada em sistemas de segurança para automóveis, desenvolveu um travão que funciona como um aspirador. Não será para substituir o ‘pedal do meio’ (ou esquerdo, nos carros de caixa automática), mas a multinacional garante que pode ajudar numa situação de emergência e salvar vidas.

Segundo a companhia, muitos choques devem-se ao facto de os carros travarem tarde de mais, especialmente no caso de terem um sistema electrónico de travagem automática, que detecta obstáculos e actua sozinho em caso de o condutor demorar a reagir. A Autoliv entende que este sistema, uma placa de aspiração que sai ‘disparada’ na parte de trás do carro, é uma ajuda eficaz e segura nesses casos de veículos com sistema de travagem automática.

O Torricelli – que recebeu o nome do inventor italiano do barómetro, um dos primeiros a estudar o conceito de vácuo – sai do fundo do automóvel, na parte da bagageira, em um décimo de segundo, começando imediatamente a ‘sugar’ o chão com uma força de 15 mil Newton. A Autoliv acredita que pode reduzir 40% a distância de travagem, em velocidades até 70 km/h.

A empresa divulgou um vídeo onde mostra testes com um automóvel de passageiros, para demonstrar a sua eficácia. E na internet é possível ver outro vídeo ‘não oficial’, que mostra testes de outro equipamento electrónico de travagem num camião de 40 toneladas, e depois testes ao Torricelli num automóvel ligeiro. As imagens não deixam margem para dúvidas, mas a eficácia também é conseguida graças ao piso liso da estrada.

Podia ser uma invenção ‘sem pernas para andar’ de um pequeno fabricante, mas vir da Autoliv dá alguma credibilidade ao produto. A empresa sueca intitula-se a maior fabricante de sistemas de segurança para veículos no mundo, fornecendo as principais marcas automóveis com airbags, cintos de segurança, sistemas electrónicos de travagem, radares e visão nocturna. Tem mais de 60 mil funcionários em 80 fábricas, nove centros técnicos e 21 zonas de testes, isto em 28 países.

 

emanuel.costa@sol.pt