Sociedade

Universidade de Coimbra em risco de perder metade dos estudantes

O reitor da Universidade de Coimbra (UC) estima que a instituição que lidera possa perder, dentro de 10 a 15 anos, metade da procura de estudantes se nada for feito, apontando como caminho a atração de estudantes estrangeiros.


"É de esperar que, entre 10 a 15 anos, haja pouco mais de metade dos jovens que hoje procuram a instituição a chegar à Universidade de Coimbra", alertou João Gabriel Silva, que falava hoje em Coimbra, durante a sessão solene do Dia da Cidade, em que foi entregue a Medalha de Ouro da Cidade de Coimbra à UC.

Essa visão é justificada pela elevada concentração da população portuguesa nas duas áreas metropolitanas - Porto e Lisboa -, associada à "escassez" de jovens e às suas escolhas aquando do ingresso numa instituição do ensino superior, que "é determinada, na sua maioria, por razões geográficas", explanou.

O reitor da UC frisa que esta "não é uma especulação vazia ou um pesadelo de uma digestão mal feita", sublinhando a necessidade de se fazer uma escolha "muito difícil" para um problema "que se aproxima a grande velocidade" e que "não é resolúvel isoladamente".

Para João Gabriel Silva, de três possibilidades - transformar a instituição numa universidade regional, tentar atrair jovens de outras zonas do país ou captar estudantes estrangeiros -, a UC tem de caminhar no sentido de uma visão "global".

A instituição tem de "olhar para longe, para o mundo" e atrair estudantes internacionais. "Só pode ser essa opção", frisou.

Todavia, para que a universidade seja uma instituição global, "com oferta global e variada", a própria cidade também tem de ser ela "uma cidade global", capaz de acolher os alunos estrangeiros, defendeu.

A Universidade de Coimbra comemora este ano 725 anos, tendo sido classificada como Património Mundial da Humanidade em junho de 2013, em conjunto com a Alta e Rua da Sofia.

Lusa / SOL