Opiniao

A ciência é lenta

Um grupo alargado de investigadoras da área de Geografia a trabalhar em universidades norte-americanas publicou recentemente um artigo em forma de manifesto por uma slow scholarship, que está a encontrar ampla difusão. 
 

O texto é particularmente estimulante, mas constitui apenas mais uma peça de um processo de resistência que tem vindo a encontrar expressões várias em universidades um pouco por todo o mundo e nas mais diversas áreas científicas - resistência à transformação da universidade segundo lógicas produtivistas, apoiadas em métodos de seleçcão e avaliação quantitativos e em concepções puramente instrumentais dos processos de construção do conhecimento.

A boa ciência, na verdade, é 'lenta', isto é, faz-se segundo tempos que lhe são próprios - tempo para ler, escrever, analisar, ensinar, investigar, experimentar, errar, organizar, comunicar, partilhar - e que não se conformam com processos em que a satisfação do urgente significa muitas vezes o esquecimento do importante. 

Uma das coisas mais simples, mas também mais relevantes, que se podem ensinar a quem pretende formar-se como investigador é que, em ciência, queimar etapas ou ter horizontes de curto prazo significa sempre fazer má ciência.

Num momento em que, com reflexo em opiniões de comentadores supostamente encartados, se vai difundindo a mensagem, redondamente falsa, de que a educação é supérflua e que em Portugal há diplomados em excesso, é tanto mais importante reflectir sobre estas questões. 

Cultivar o tempo de uma 'ciência lenta' significa, também, ter a percepção de que a formação especializada não é tudo e de que as universidades são o lugar adequado para aprender que os saberes são múltiplos e que, sem a consciência dessa multiplicidade, nenhum especialista será um bom especialista. 

Por isso mesmo (seguindo aliás tendências há muito estabelecidas internacionalmente), algumas instituições entre nós - entre elas, a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, que se prepara para implantar uma ampla reforma da oferta formativa a partir do próximo ano lectivo - têm vindo cada vez mais a oferecer percursos de formação não confinados em áreas disciplinares estreitas, capazes de abrir, e não de fechar, os tempos da busca permanente do conhecimento.