Vida

Jovem de 23 anos comeu até morrer

Uma mulher com uma doença rara comeu até não conseguir mais e acabou por morrer. O caso ocorreu depois de a pessoa que tratava dela ter removido os cadeados que fechavam o frigorífico e os armários, lê-se no jornal Metro.

Kirsty Derry, de 23 anos, sofria da síndrome de Prada-Willi, que faz com que a pessoa esteja constantemente com fome. A jovem britânica morreu com uma paragem cardíaca, após ter chegado aos 120 quilos. Kirsty engordou 45 quilos em apenas nove meses, depois de ter sido levada para uma casa de acolhimento onde receberia cuidados extras.
 
De acordo com o Metro, uma investigação à morte de Kirsty revelou que a jovem convenceu os membros da equipa que tratavam dela a deixar o frigorífico e os armários abertos, dando-lhe a oportunidade de comer tudo o que queria.
 
Kirsty morreu um mês após a sua mãe, Julie Fallows, ter enviado uma carta e dizer que temia pela vida da filha. Julie começou a achar que algo se passava quando percebeu que a filha não estava a ser acompanhada das 08h00 às 22h00 – horário em que as vigilantes deveriam prestar atenção aos comportamentos da jovem.
 
O apartamento onde Kirsty vivia estava equipado com um alarme que disparava quando a jovem tentasse remover os cadeados. Julie achou estranho quando este alarme foi removido, sete meses antes de Kirsty morrer.
 
“Quantas mais vezes lá ia, mais noção tinha de que algo não estava bem e de que Kirsty não estava a ser acompanhada”, afirmou Julie.
 
“Ninguém me consultou quando ela exigiu que removessem o alarme e os cadeados. Ela era uma adulta, mas precisava de assistência”, acrescenta.
 
A direcção do lar afirmou durante a investigação que não havia nada que pudessem fazer, já que Kirsty estava na posse de todas as suas faculdades mentais.