Politica

Quintanilha, o outsider

Alexandre Quintanilha chega como outsider a cabeça de lista do PS pelo Porto, cidade onde vive há mais de 20 anos. Mas esta não é a estreia do cientista na política activa. Já tinha sido eleito para a Assembleia Municipal do Porto, também pelo PS, durante um dos mandatos de Rui Rio. Mas o facto de estar na oposição perante um executivo camarário de maioria absoluta fê-lo sentir-se “sem grande utilidade”: “A nossa participação limitava-se a chamar a atenção para determinadas coisas. Nada do que nós queríamos propor se realizava”, diz ao SOL.

Saiu, reocupando o cargo que desempenhou durante vários anos, a direcção do Instituto de Biologia Molecular e Celular do Porto - entidade que ajudou a transformar em centro de referência internacional. Recentemente jubilado da Universidade do Porto, tem agora a oportunidade de intervir.

A motivação de ir para São Bento está ligada ao desconforto que sente em relação à “situação actual em Portugal, na Europa, no mundo”. “E em vez de andar a dizer isso por todo o lado, se calhar posso dizê-lo num sítio em que posso ter um pouco mais de impacto”, refere.

Mas o que tem na manga para apresentar nas sessões do plenário? “Nunca me regi por programas. A área que conheço melhor é a da ciência e educação”, afirma. E acrescenta: “Uma das mensagens que me atraíram para vir para Portugal foi a ideia de que o conhecimento não era um luxo, e que estava na base da cidadania”.

Outros cientistas na política

Os cortes dos últimos quatro anos nas bolsas, nos centros de investigação aplicada e nos laboratórios associados mostram que houve uma reviravolta no país: “Há a ideia de que fizemos demais, temos gente demasiado qualificada, há muitas oportunidades lá fora e, portanto, vão lá para fora. Não tenho nada contra as pessoas saírem, é muito bom que vão à procura de saberem o que querem fazer na vida. Tenho pena é que não haja outras pessoas a virem”.

Quintanilha não revela se foi primeira escolha ou se planeia, de algum modo, fazer parte de um governo de maioria PS. É dos poucos cientistas a integrar uma lista para o Parlamento. Outro, no actual grupo socialista, é o bioquímico Tiago Brandão Rodrigues, investigador em Cambridge, que encabeça a lista por Viana do Castelo. No Parlamento Europeu está Ricardo Serrão Santos, ex-director do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores, para fechar o leque de alguns cientistas em cargos de decisão.

ricardo.nabais@sol.pt