Internacional

Escândalo no Reino Unido. Grupo liderado por mulher usava crianças como brinquedos sexuais

A primeira pessoa a ser condenada no mais recente escândalo de pedofilia em Inglaterra foi Marie Black, uma mulher de 34 anos que assumiu um papel de liderança num grupo de adultos que violava e abusava de crianças pré-adolescentes usadas como jogos sexuais, avança a Sky News.

Esta mulher foi acusada de obrigar os menores a terem sexo entre si e a usá-los em jogos sexuais com outros adultos, em que por exemplo um jogo de cartas decidia quem era o seguinte a abusar sexualmente das crianças.

Os abusos muitas vezes envolviam brinquedos infantis, como Barbies, sendo tão frequentes que as próprias vítimas consideravam tratar-se de comportamentos normais.

Marie Black foi considerada culpada por 23 crimes de violação, cumplicidade com os abusos e incitamento de crianças à actividade sexual.

Além desta mulher, foram também considerados culpados dois homens que levaram a cabo os abusos nos últimos 10 anos em Londres e Norwich.

Michael Rogers, de 53 anos, foi considerado culpado de 14 crimes de crueldade, violação e incitamento de crianças à actividade sexual. Já Jason Adams, de 43 anos, foi considerado culpado de 13 crimes da mesma natureza.

Uma outra mulher, de 60 anos, foi condenada por agressão, mas absolvida de outras nove acusações, incluindo de abuso sexual.

Um dos homens descreveu em tribunal: Havia festas em que se faziam alguns jogos em que os rapazes estavam com os homens num quarto e as raparigas com as mulheres noutro. Os adultos jogavam às cartas e o vencedor podia escolher um rapaz para lhe tocar nas partes íntimas”.

Apesar da confissão deste homem, Marie, Rogers e Adams negaram sempre todas as acusações. Houve ainda seis arguidos que foram absolvidos de todos os crimes pelo júri.