Economia

Empresa de Jaime Antunes tenta travar venda do Novo Banco

A empresa Liminork, liderada por Jaime Antunes, interpôs na Justiça uma providência cautelar para travar a venda do Novo Banco, segundo o Expresso.

Lusa/André Kosters

O jornal diz que a providência cautelar foi colocada contra o Banco de Portugal e o Fundo de Resolução bancário, o 'dono' do Novo Banco, e que tem que ver com os 2,3 milhões de euros que a Liminork levantou de depósitos e aplicou em papel comercial Rioforte, empresa do Grupo Espírito Santo, em fevereiro de 2014.

A Lusa tentou contactar durante a tarde Jaime Antunes mas sem sucesso.

Ao Expresso, o empresário que é também presidente da Privado Clientes, a associação de clientes do Banco Privado Português (BPP), afirmou que foi colocada a ação na Justiça uma vez que considera que o Novo Banco é único ativo que pode garantir que os clientes que perderam dinheiro com a queda do Grupo Espírito Santo possam vir a receber o seu dinheiro.

Há cerca de um ano, a 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação, ficando os ativos e passivos de qualidade num 'banco bom', denominado Novo Banco, e os passivos e ativos tóxicos no BES, o 'banco mau' ('bad bank'), sem licença bancária.

O Novo Banco está em processo de venda, esperando-se desenvolvimentos em breve.

Lusa/SOL