Politica

António Costa acusa direita de aventura radical

O secretário-geral do PS assegurou hoje ter as contas feitas aos compromissos eleitorais assumidos e acusou a coligação PSD/CDS-PP de preconizar "novas aventuras", de um "radicalismo ideológico", sobretudo na Segurança Social.

Em conferência de imprensa, na sede nacional do partido, em Lisboa, António Costa apresentou "O Quanto, o Quando e o Como do Programa Eleitoral do PS", antes da intervenção do economista coordenador do cenário macroeconómico, Mário Centeno, sublinhando que o programa socialista "não é um saco de palavras", nem uma "soma de promessas", mas sim "compromissos para a próxima legislatura".

"A construção da confiança não é uma questão de fé", declarou o líder socialista, vincando que o trabalho do PS assenta no "rigor e ambição contra a decadência nacional", e lamentando ainda os quatro anos de "retrocesso" com a governação PSD/CDS-PP.

Para António Costa, a referida "alternativa de confiança não pode assentar em ilusões", mas antes numa "análise séria, realista, de qual é efetivamente a situação do país".

Para António Costa, a opção do PS não é dramatizar "aquilo que já é uma situação dramática", nem "iludir os problemas".

Lusa/SOL