Economia

Clientes do Montepio fazem queixa ao Banco de Portugal por eleição ‘ilegal’ da administração

O grupo de clientes do Montepio representado pela associação Salvem o Pelicano abriu uma nova frente de contestação à gestão da caixa económica. Depois da assembleia-geral (AG) que levou José Felix Morgado à presidência da instituição, a 5 de Agosto, a associação apresentou uma queixa no Banco de Portugal onde sustenta que essa eleição está «ferida de invalidade» porque não cumpriu os procedimentos impostos pelos estatutos do Montepio.

Helena Garcia

O lapso mais flagrante é a convocatória das eleições: o padre Vítor Melícias, presidente da AG, não cumpriu os prazos obrigatórios e convocou a votação com apenas 14 dias de antecedência, quando estava obrigado a um período mínimo de 15 dias.

Neste momento, os actos da administração podem ser considerados nulos e pode ter de haver nova eleição. «Os membros dos órgãos sujeitos a votação não estão eleitos», aponta a exposição a que o SOL teve acesso. A associação pede a intervenção do regulador bancário e ameaça ir para tribunal contestar a eleição.

Leia mais na edição do SOL desta sexta-feira.

joao.madeira@sol.pt