Economia

PSI20 cai 0,99% em linha com restantes praças na Europa

O índice de referência da bolsa de Lisboa, o PSI20, encerrou hoje a recuar 0,99%, para 5.164,19 pontos, em linha com as restantes praças europeias, com os CTT e a Galp a liderarem as perdas da sessão.

Entre as 18 cotadas que atualmente integram o PSI20, quinze encerram em queda e apenas três valorizaram.

Os títulos do BCP são os que se destacam pela positiva e fecharam a avançar 3,66% para os 0,06 euros, depois de terem hoje subido perto de 6%.

Cerca de uma hora e meia antes do fecho da praça portuguesa [pelas 15:00 de Lisboa], o BCP subia 5,66% para 6,37 cêntimos, liderando o PSI20 e contribuindo para a negociação do índice em terreno ligeiramente positivo (0,18%), contrariando a tendência de queda das principais praças europeias.

O bom desempenho do BCP foi impulsionado pela informação de que a Polónia pode recuar na lei que permite converter os empréstimos em francos suíços para zlotys, minorando custos para os bancos a operar no país.

Já os títulos dos CTT lideram as perdas da sessão, tendo deslizado 3,03% para os 9,25 euros.

O dia também foi de perdas no setor da energia: a Galp recuou 2,69% para 8,70 euros, a REN cedeu 2,09% para 2,62 euros, a EDP Renováveis caiu 1,98% para 5,94 euros e a EDP deslizou 0,95% para 3,03 euros.

No setor financeiro, os títulos do Banif perderam 1,82% para 0,005 euros, no dia em que os acionistas da instituição elegeram os órgãos sociais que vão "conduzir os destinos do banco" nos próximos três anos, reconduzindo Jorge Tomé e Luis Amado à frente da administração. Também o BPI caiu 0,43% para 0,92 euros.

Em queda fecharam também a Mota-Engil (2,33% para 2,05 euros), a NOS (1,69% para 7,25 euros), a Sonae (1,42% para 1,11 euros) e a Pharol (1,24% para 0,23 euros). A Teixeira Duarte depreciou 0,85% para 0,46 euros e a Semapa deslizou 0,66% para 12,81 euros.

Altri e Jerónimo Martins também cederam 0,30% e 0,16% para 3,29 euros e 12,40 euros, respetivamente.

Em terreno positivo fecharam a Portucel (0,12% para 3,20 euros) - cujo lucro subiu 10,9% no primeiro semestre, face a igual período do ano passado, para 100,5 milhões de euros, e a Impresa (0,83% para 0,72 euros).

Na Europa, o dia foi de queda em todas as praças, que oscilaram entre as perdas de Londres (1,68%) e de Frankfurt (1,29%).

Apesar de o primeiro-ministro chinês ter afirmado, em declarações reproduzidas hoje pelo jornal oficial China Daily, estar confiante de que a segunda economia mundial vai cumprir as metas que o Governo fixou para este ano, embora reconheça o impacto da crise bolsista, as bolsas estão "muito voláteis", segundo analistas citados pela agência de informação financeira Bloomberg.

Lusa/SOL