Politica

Guterres apela à criação de centros de acolhimento para refugiados na UE

O alto comissário das Nações Unidas para os refugiados, António Guterres, e o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, apelaram ontem à criação urgente de centros de acolhimento e de triagem face ao fluxo de migrantes e refugiados na Europa.

"Temos de acelerar e intensificar as decisões tomadas pelo Conselho Europeu relativo à Agenda para as Migrações. Há questões essenciais como a receção, o registo, os 'hotspots' [centros de acolhimento e de triagem], a relocalização e a reinstalação", disse Guterres depois de uma reunião com o governante francês em Genebra, de acordo com a agência de notícias francesa.

Por seu turno, Cazeneuve revelou que concorda com "a urgência da implementação de 'hotspots', que devem permitir distinguir no momento em que as fronteiras externas da União Europeia (UE) na Grécia e em Itália são atravessadas quem deve ter o estatuto de refugiado na Europa e quem imigra por motivos económicos".

O político francês defendeu que "os que imigram por motivos económicos devem retornar aos seus países de origem".

Desde o início do ano, 293.000 migrantes e refugiados tentaram chegar à Europa através do Mediterrâneo e 2.440 faleceram durante o percurso, segundo os números ontem anunciados por Guterres.

"É evidentemente um desafio sério para a Europa", afirmou o responsável português, apelando a uma resposta "rápida e eficaz".

E realçou: "É claro que a Europa tem a dimensão e a capacidade para responder a este desafio, desde que seja unida e que se assuma conjuntamente essa responsabilidade".

Guterres deixou também um apelo à comunidade internacional para mostrar uma maior generosidade para com os refugiados sírios, salientando que o apelo feito pela ONU para um financiamento para o efeito obteve contribuições de apenas 41%, até ao momento, do montante total solicitado.

Lusa/SOL