Sociedade

CGTP interpõe ação popular para travar subconcessão da STCP e Metro do Porto

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, anunciou hoje que a intersindical vai interpor uma ação popular em tribunal contra o Governo PSD/CDS-PP para travar a subconcessão por ajuste direto da STCP e da Metro do Porto.

"Há aqui uma clara subversão da lei, nos diríamos mesmo que há aqui uma clara violação da lei que não pode passar de forma impune sem levar a que o Governo seja responsabilizado judicialmente", disse o sindicalista durante uma conferência de imprensa, no Porto. 

Segundo Arménio Carlos, o processo de subconcessão está "viciado" desde o início e envolto em "opacidade, secretismo e negócios de bastidores", por isso, considerou "urgente" revertê-lo. 

Assim, a ação popular será entregue "nos próximos dias no Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto, adiantou o responsável da CGTP.

O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, anunciou hoje que as empresas Transdev e Alsa apresentaram as melhores propostas à subconcessão da Metro do Porto e da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), respetivamente.

"Quem apresentou a melhor proposta foi, para a Metro do Porto, a Transdev, com uma proposta melhor do que aquela que rejeitámos no concurso anterior em 1,35 milhões de euros por ano. No caso da STCP, quem apresentou a melhor proposta foi a empresa Alsa, do Grupo Nacional Express, que apresenta uma proposta de cerca de 500 mil euros/ano melhor do que a proposta dos espanhóis que não chegou a avançar", disse.

O governante falava um dia depois de ser tornado público que o concurso de subconcessão da Metro do Porto e da STCP recebeu quatro candidatos: Alsa, Barraqueiro, Gondomarense e Transdev.

Lusa/SOL