Economia

Portugal colocou 1.300 milhões de euros a seis e a doze meses

Portugal colocou hoje 1.300 milhões de euros, acima do montante indicativo, em Bilhetes do Tesouro (BT) a seis e a 12 meses às taxas médias de 0,006% e 0,051%, inferiores às dos anteriores leilões comparáveis.

De acordo com a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na agência Bloomberg, em BT a seis meses foram colocados 300 milhões de euros a uma taxa média de 0,006%, abaixo da do anterior leilão comparável, de 0,014%, de 15 de julho.

A procura foi 4,07 vezes superior ao montante colocado, já que atingiu 1.221 milhões de euros.

Em BT a 12 meses foram colocados 1.000 milhões de euros a uma taxa de juro média de 0,051%, também inferior à de 0,088% praticada no anterior leilão comparável de 15 de julho. 

Em relação à procura de BT a 12 meses, esta cifrou-se em 2.055 milhões de euros, 2,06 vezes superior ao montante colocado.

Os dois leilões de hoje tinham um montante indicativo global entre 1.000 e os 1.250 milhões de euros e maturidades a seis meses e um ano, mas o montante colocado foi superior.

No anterior leilão de BT a seis meses, que ocorreu a 15 de julho, o Estado conseguiu colocar 650 milhões de euros a uma taxa média de 0,014%, enquanto no leilão anterior de BT com maturidade de um ano, que ocorreu na mesma data, foram colocados 1.135 milhões de euros a uma taxa média de 0,088%.

Segundo Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, "Portugal continua a conseguir financiar-se a níveis historicamente baixos" devido "ao plano de compra de dívida do BCE (QE -- Quantitative Easing) e ao facto de Portugal ter na zona euro, excluindo a Grécia, a dívida que paga um pouco mais que as restantes".

Assim, adiantou, a dívida portuguesa "é um alternativa comparativamente razoável para os investidores aplicarem o dinheiro" porque "é natural que olhem para a dívida portuguesa de curto prazo e não sintam grandes riscos."

Filipe Silva ainda deu como exemplo o facto de a Alemanha ter pago hoje uma taxa de juro de 1,49% para colocar dívida a 30 anos.

Lusa/SOL