Internacional

Ataques do Boko Haram obrigaram já 500 mil crianças a fugir

Cerca de 500.000 crianças foram forçadas a fugir dos seus locais de origem nos últimos cinco meses devido à intensificação dos ataques do grupo radical islâmico Boko Haram na Nigéria, Camarões, Chade e Níger, anunciou hoje a UNICEF. 

 

Com estes números, ascende a 1,4 milhões o número de crianças da região deslocadas pela insurgência islâmica, que está sobretudo concentrada nas zonas remotas do nordeste da Nigéria. 

"É verdadeiramente alarmante ver estas crianças e mulheres que continuam a ser assassinados, sequestrados ou utilizados para fazer explodir bombas", afirmou em comunicado o diretor do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para a África Central e Ocidental, Manuel Fontaine.

A Nigéria foi o país mais afetado, com 1,2 milhões de crianças, metade delas com idades inferiores a cinco anos, a terem de abandonar os seus lares nas regiões remotas do Nordeste do país. 

Outras 265.000 crianças foram afetadas nos vizinhos Camarões, Chade e Níger, que o Boko Haram tem visado cada vez mais desde que estes países se juntaram ao exército da Nigéria numa contraofensiva regional. 

O Boko Haram luta para estabelecer um estado islâmico no nordeste da Nigéria desde 2009.

Pelo menos 15.000 pessoas foram mortas desde então, incluindo 1.100 numa vaga de violência, com recurso a atentados suicidas e ataques à bomba, desde que Muhammadu Buhari se tornou presidente da Nigéria, a 29 de maio.

Lusa/SOL