Internacional

Tsipras inicia hoje novo mandato

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, inicia hoje um novo mandato, relegitimado pela vitória eleitoral obtida no domingo, mas com a tarefa árdua de gerar consensos e de conduzir a Grécia na aplicação de mais um pacote de austeridade.

As edições de hoje dos jornais gregos destacam quase em uníssono a "segunda oportunidade" dada pelos eleitores gregos a Tsipras, que se demitiu em 20 de agosto depois de ter acordado em Bruxelas e feito aprovar no parlamento grego o novo pacote de austeridade, apesar de ter prometido, quando foi eleito pela primeira vez em janeiro, acabar com a política de austeridade na Grécia.

 A imprensa grega destaca os 35,5 % dos votos obtidos no domingo pelo Syriza, o partido liderado por Tsipras, que nas eleições, também antecipadas, de janeiro conseguiu 36,3%, como prova de que a subida ao poder da formação da esquerda radical não foi apenas uma reação visceral dos gregos a cinco anos de crise.

O principal rival do Syriza nas eleições de domingo, o partido conservador Nova Democracia obteve apenas 28,05% dos votos dos cerca de 9,8 milhões de leitores que foram chamados a votar, mas dos quais cerca de 45 por cento se abstiveram.

No discurso de vitória que fez no domingo à noite, Tsipras disse que o novo governo da Grécia -- que irá formar em coligação com o partido nacionalista de direita Gregos Independentes, que obteve 3,69% dos votos -- será "um governo de combate, pronto para travar as batalhas necessárias para defender os direitos do povo grego".

Hoje, os jornais gregos destacam também o trabalho difícil que aguarda Tsipras. O editorial do diário de centro-esquerda Ta Nea sublinha as dificuldades que o novo governo grego terá em conduzir o país na aplicação do novo pacote de austeridade exigido pelos credores da Grécia em troca do terceiro resgate financeiro do país, no valor de 86 mil milhões de euros, a dificuldade de fazer sair um país esmagado pela dívida da recessão económica e a grave situação dos migrantes que continuam a chegar em grande número à Grécia.

O conservador e respeitado Kathimerini diz hoje que reformas nas pensões e na legislação laboral, a recapitalização dos bancos, medidas de alívio do peso da dívida e a colocação em funcionamento de um fundo para gestão das receitas das privatizações exigidas pelos credores são as prioridades do futuro imediato.

Um comentário publicado na primeira página do diário fundado em 1919 diz que os gregos "esperam que desta vez os erros trágicos dos últimos sete meses (de governação do Syriza antes das eleições de domingo) sejam evitados e que o novo governo atue com mais prudência, procurando consensos sempre que possível".

O Avgi, jornal próximo do Syriza escreve que o novo governo terá de colaborar com os credores na aplicação de "um pacote difícil", mas que também ganhou a oportunidade de "desmantelar o velho sistema político grego, minado por corrupção".

Lusa/SOL