Sociedade

Finanças querem planta da casa onde Sócrates está preso

A ex-mulher de José Sócrates, Sofia Fava, deverá ter de enviar para as finanças as plantas atualizadas do prédio da Rua Abade Faria – incluindo o anexo das traseiras – onde o ex-primeiro-ministro está em prisão preventiva.

Segundo o Correio da Manhã, a Autoridade Tributária pretende perceber se o valor do Imposto Municipal sobre Imóvel (IMI) pago está atualizado, tendo em conta as obras de remodelação que foram feitas nos últimos anos.

O mesmo jornal refere que além de Sofia Fava será ainda notificada a Câmara Municipal de Lisboa. A Autoridade Tributária deverá solicitar à autarquia todas as licenças emitidas.

Este mês, Sofia Fava fez já saber publicamente que a situação fiscal do n.º 33 da Rua Abade Faria está atualizada.

Como o SOL revelou há duas semanas, para o Ministério Público, a casa que Sócrates habita há muito que está identificada. Os investigadores da Operação Marquês acreditam que faz parte do alegado esquema montado para devolver ao ex-primeiro-ministro o dinheiro que, sendo dele, estava em contas do empresário Carlos Santos Silva.

O n.º 33 da Rua Abade Faria inclui na verdade dois imóveis: o prédio de dois andares cuja fachada se vê da rua e, nas traseiras, uma espécie de moradia de dois andares, no ‘miolo’ do quarteirão. Este imóvel anexo foi construído no início do sec. XX para ser uma escola primária, como o SOL avançou.

A propriedade foi adquirida por Sofia Fava em 2008: a ex-mulher de Sócrates comprou-a, juntamente com Paulo Jorge Chaby da Silva, entretanto falecido. Em 2009, a Gigabeira, de Carlos Santos Silva, fez obras de remodelação.

No processo administrativo na Câmara Municipal de Lisboa, pode ler-se que foi aceite a alteração do uso do anexo para habitação, assim como as obras de remodelação. Ainda assim, no registo predial consta que, entre 22 de janeiro e 17 de março desse ano, a obra esteve embargada.

carlos.santos@sol.pt