Internacional

Papa contra 'irresponsável má gestão da economia mundial'

O Papa criticou há pouco o que diz ser a “irresponsável má gestão da economia mundial, guiada unicamente pela ambição de lucro e poder”. No discurso proferido na sede da Assembleia geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, Francisco alertou, há minutos, para as “nefastas consequências” desta gestão e pediu a este organismo internacional para “limitar” qualquer espécie de abuso, principalmente sobre os países em vias de desenvolvimento.

“Os organismos financeiros internacionais devem velar pelo desenvolvimento sustentável dos países, evitando uma sujeição sufocante desses países a sistemas de crédito que, longe de promover o progresso, submetem as populações a mecanismos de maior pobreza, exclusão e dependência”, afirmou o chefe da Igreja Católica na presença de vários chefes de Estado e de Governo.

Num discurso proferido em espanhol, Francisco apelou também à reforma no Conselho de Segurança e nos organismos financeiros internacionais, para defender melhor as populações mais desprotegidas. “A necessidade duma maior equidade é especialmente verdadeira nos órgãos com capacidade executiva real, como o Conselho de Segurança, os organismos financeiros e os grupos ou mecanismos criados especificamente para enfrentar as crises económicas”, declarou.

Francisco pede diálogo e luta incansável contra a guerra

Francisco elogiou o trabalho desenvolvido no seio da ONU, considerando mesmo que sem ela “a humanidade poderia não ter sobrevivido”. E deixou apelos para que, através do diálogo, aqui se continue a lutar “incansavelmente” para evitar a guerra, “a negação de todos os direitos e uma agressão dramática ao meio ambiente”.

É a quinta vez que um Papa discursa na ONU.  Francisco seguiu depois para o Ground Zero, onde visitará o memorial dedicado às vítimas do ataque terrorista do 11 de Setembro.

rita.carvalho@sol.pt