Politica

Só faltou o champagne na coligação

Após uma contagem decrescente para as primeiras projeções da noite, a sala irrompeu em gritos de “vitória”. Quase a rebentar, o espaço onde a coligação viu os resultados que a mostram próxima da maioria absoluta encheu-se de gente que se abraçou para celebrar. Só faltou o champagne.

“É claro o nosso gosto, o ar de felicidade que temos nesta declaração”, reconhecia o vice-presidente do PSD, Marco António Costa, enquanto na plateia se celebrava efusivamente, com frases como “ganhámos” e “parabéns”.

“Todas as projeções que são conhecidas apontam para o facto inequívoco de que a coligação teve uma grande vitória”, reagiu Marco António, que veio “agradecer a todos os portugueses” e destacou a “grande mobilização cívica” que os números da abstenção revelam.

Com os dados revelados às 20h pelas televisões, parecem afastados os cenários de instabilidade política e Marco António Costa acha mesmo que esta eleição trará “clareza total e absoluta da situação política portuguesa” e

Fará com que “Portugal tenha todas as condições para ter um governo estável”.

“Este resultado, que tudo indica que será confirmado na contagem dos votos, mostra que manteremos o nosso compromisso de continuarmos a oferecer a Portugal um caminho de garantia de recuperação e uma atitude impecável de diálogo”, afirmou o vice-presidente social-democrata.

Nuno Melo lança farpas a Costa

Nuno Melo, que reagiu em nome do CDS, acabou, porém, por verbalizar um pensamento que há muito anda na cabeça da coligação: o de que o resultado destas eleições põe em causa a liderança de António Costa no PS.

“A coligação progrediu muito, muito mesmo, desde as eleições europeias, eu que o diga”, comentou o cabeça de lista centrista para o Parlamento Europeu, provocando risos na sala.

“Em alguns estudos progrediu mesmo mais de 10% em relação a essas eleições”, sublinhou, para concluir que “Costa teve uma derrota clara, o que significa que não perdeu por ‘poucochinho’”.

Para bom entendedor, a referência é clara. Costa entrou na luta pela liderança, acusando António José Seguro de, apesar de ter ganhado as europeias, ter um resultado “poucochinho”. Agora, volta a haver argumentos para contestar a liderança socialista e Costa pode provar do seu próprio veneno – um cenário que tem sido muito comentado no seio da coligação ao longo de toda a campanha.

“Confirmando-se estas projeções, vencemos com clareza estas eleições”, conclui Nuno Melo, que vê nisto uma “grande notícia”.

margarida.davim@sol.pt