Politica

E agora? A receita de Passos e Portas é esta…

O discurso de António Costa foi seguido com atenção total na sede da noite eleitoral da coligação. Quando o líder do PS acabou de falar, havia, contudo, quem tivesse ficado perdido na tradução. “Ele não sabe o que vai fazer”, apontava um dirigente do PSD. Costa pode não saber, mas na cabeça dos líderes da PàF não há dúvidas sobre o que fazer a seguir.

Enquanto percebem para que lado pode virar Costa, a PàF vai avançar para a formação de um governo, como já anunciaram Passos e Portas. Com mais mandatos, PSD e CDS cumprem o critério que o Presidente da República tinha já definido para a constituição de um novo executivo.


Continua a sombra da instabilidade

Apesar disso, a sombra da instabilidade não desapareceu. Sem maioria absoluta e sem a certeza de que Costa não se aliará à esquerda para rejeitar o programa de governo ou se cumprirá a promessa de inviabilizar o Orçamento do Estado – como anunciou na campanha –, a coligação não dá nada como certo.

Entre os dirigentes da PàF há, contudo, a ideia de que António Costa é um líder a prazo e de que a sua substituição por alguém mais moderado, como Francisco Assis, pode ajudar a formar entendimentos que permitam levar o mandato até ao fim.

A moderação é, por isso, a palavra-chave. Ou através de entendimentos para manter a governação ou como argumento eleitoral em caso de eleições antecipadas.


Costa perdeu por encostar à esquerda

O raciocínio que se faz no PSD e no CDS é o de que António Costa saiu derrotado das eleições precisamente porque decidiu jogar à esquerda quando as eleições se ganham ao centro.

Na coligação acredita-se que uma radicalização do PS que leve à inviabilização da governação e a eleições antecipadas poderá repetir a história da primeira maioria absoluta de Cavaco.

Ou seja, caso o país vá a votos daqui a menos de um ano, a coligação tem a esperança de melhorar o resultado e alcançar a maioria absoluta.

Para o conseguir, a estratégia é continuar a apresentar-se como a única solução de estabilidade. Foi com isso no pensamento que Passos e Portas anunciaram que irão formar governo, sempre disponíveis para “compromissos” e “entendimentos” com o parceiro mais natural do centro, o PS.

Esse discurso é para continuar. Caso não resulte para segurar um mandato de quatro anos, pode ser a fórmula para garantir uma maioria em eleições antecipadas.

margarida.davim@sol.pt