Economia

Donos de Audi já podem ver se o seu carro está na lista das emissões

Os portugueses que tenham um Audi também já podem verificar se o seu carro está na lista de veículos do grupo Volkswagen com emissões poluentes adulteradas. A marca alemã foi a última a introduzir a ferramenta no seu site em Portugal, depois de a Volkswagen, a Skoda e a Seat o terem feito na terça-feira.

Ao contrário do que tem vindo a ser noticiado, a Audi não estava apenas a pedir aos clientes para a contactarem. A marca do grupo SIVA, tal como o SOL avançou na terça-feira, estava ainda a preparar a ferramenta para colocar no site, prevendo fazê-lo até ao final da semana. Introduziu a ferramenta esta quinta-feira.

Os clientes da Audi – quase 32 mil carros afectados em Portugal – podem ver se o seu carro está na lista através do site oficial da marca. Basta inserir o número de chassis do carro, que podem encontrar junto ao vidro da frente, do lado de fora, no canto inferior mais perto do condutor. Pode fazer essa consulta aqui.

Em Portugal há 94.400 veículos das marcas Volkswagen (53.761), Audi (31.838) e Skoda (8.800) envolvidos no escândalo das emissões que atingiu o grupo alemão. A estes há que juntar mais cerca de 23 mil da espanhola Seat, que não é representada pela SIVA.

Recorde-se que o escândalo das emissões falseadas dos veículos Volkswagen, através de um software que as reduzia em situações de teste, rebentou em meados do mês passado. O grupo alemão confirmou pouco depois haveria 11 milhões de automóveis a gasóleo com esse software em todo o mundo, das marcas Volkswagen, Audi, Skoda e Seat, e dos motores TDI 1.2, 1.6 e 2.0.

Esta quarta-feira foi apresentado na Alemanha o plano do grupo para corrigir o problema nos carros, ficando a saber-se também que talvez não sejam 11 milhões, mas sim 9,5 milhões de veículos com software fraudulento.

Os primeiros carros a serem chamados à oficina, gratuitamente, para resolver o problema serão os veículos com motor 2.0 TDI, cujos donos começam a receber cartas em casa já em Janeiro do próximo ano.

Mais complexa é a solução para os 1.6 TDI, motor que precisa de actualização do software mas também de novas peças. São 3,6 milhões de carros em todo o mundo e a correcção dos motores só poderá ser feita a partit de setembro.

emanuel.costa@sol.pt