Politica

Reunião PS/PSD/CDS: Coligação com disponibilidade para 'negociar tudo'

Esperar para ver, mas olhando para as movimentações do PS à esquerda como uma “encenação”. Foi assim que a coligação partiu hoje para a reunião com António Costa. “Há uma coreografia do diálogo à esquerda que está a ser feita mas não tem viabilidade programática”, sublinha um membro do Governo, recordando que as agendas de PS, PCP e BE são incompatíveis.

O anúncio da disponibilidade do PCP para viabilizar um governo socialista apanhou de surpresa PSD e CDS, mas nem por isso Passos vai mudar o que tem hoje para dizer a Costa. Assegurar a não rejeição do programa de governo e a viabilização do Orçamento do Estado para 2016 são consideradas “condições elementares”, segundo outro  ministro de Passos Coelho. Mas o objetivo é conseguir acordos em várias matérias e a médio e longo prazo.

Viabilizar o OE é a primeira grande prova de fogo, para a qual a coligação parte de espírito aberto. “Não há linhas vermelhas, dentro do que é o Tratado Orçamental. Partimos para a negociação de espírito aberto. Nem fazia sentido ser de outra maneira”, garante ao SOL Maria Luís Albuquerque. A ainda ministra das Finanças sabe que tudo o que o próximo governo fizer terá de ser antes acertado com António Costa. “Vamos ter de negociar tudo”, admite.

O documento não poderá ter grandes surpresas porque assenta essencialmente no que já estava no Programa de Estabilidade enviado a Bruxelas e incluirá medidas como a remoção gradual dos cortes em salários da função pública e nas pensões e a devolução da sobretaxa, que também constavam do programa do PS embora num ritmo mais acelerado. “Como é que o PS pode dizer que não a isto tudo?” - interroga outro ministro do executivo. Mais complicadas poderão ser questões como o IRC ou o IVA da restauração. 

Leia mais na edição impressa do SOL, hoje nas bancas

margarida.davim@sol.pt 
sofia.rainho@sol.pt 

*com Sónia Cerdeira