Desporto

Futebol: Treinadores portugueses ajudam a China a cumprir o seu sonho

Segundo uma redação escrita por Ji Guangyu, um menino chinês de nove anos praticante de futebol na Academia Z-Team, o técnico português João Nunes "remata como o Cristiano Ronaldo e parece o Messi a fintar".

 

Futebol: Treinadores portugueses ajudam a China a cumprir o seu sonho

"Para os meus atletas sou tudo", diz a rir o antigo treinador da formação do Belenenses, que desde há três meses dirige aquela academia, na cidade chinesa de Cantão, em parceria com investidores locais.

"Não passei de uma promessa do futebol", explica. "Mas sou um apaixonado pela formação".

Licenciado em Desporto pela Universidade Lusófona e com 15 anos de experiência como formador, João Nunes chegou à China no ano passado para treinar na Winning League/Figo Football Academy.

A academia de futebol com o nome do antigo capitão da seleção lusa arrancou em 2014 e está já implementada em 14 cidades chinesas, empregando no total 45 treinadores portugueses. 

Mas João Nunes optou, entretanto, por montar um projeto próprio.

"A nossa base é o futebol de recriação, mas já com um pé na competição", diz sobre a Z-Team, onde treinam regularmente 100 atletas, entre os quatro e os 16 anos.

O equipamento é "parecido com o da seleção portuguesa", mas as propinas aproximam-se do praticado em outras escolas locais da modalidade: uma série de 12 sessões custa 1.200 yuan (cerca de 170 euros). 

"Na China, há um grande investimento no futebol. Isto está a crescer de forma brutal", afirma o técnico. "Muito em breve vamos abrir uma terceira escola em Cantão e em janeiro teremos mais um treinador vindo de Portugal".

Capital da província de Guangdong, que confina com Macau e Hong Kong, Cantão é uma das maiores e mais prósperas cidades chinesas, com cerca de 13 milhões de habitantes.

É também a cidade do Guangzhou Evergrande, a equipa que nos últimos três anos tem dominado o futebol chinês e que é orientada pelo técnico brasileiro Luís Felipe Scolari, antigo treinador da seleção portuguesa.

Na superliga chinesa compete outra cara conhecida dos adeptos lusos: o médio internacional Ruben Micael, que alinha no Shijiazhuang Everbrigh, atual sexto classificado.

A China anunciou em 2014 um "plano de reforma global do futebol", que determina, entre outras medidas, a inclusão da modalidade como componente obrigatória da disciplina de Educação Física em 50.000 escolas primárias e secundárias. 

O "sonho chinês" para o futebol passa por três etapas: qualificar-se para a fase final do Mundial; organizar um Mundial, pela primeira vez; e um dia vencê-lo, proeza nunca alcançada por um país asiático.

São metas audaciosas para um país que figura em 81.º no ranking da FIFA e cuja participação em Mundiais se resume à edição de 2002, disputada na Coreia do Sul e Japão.

Na zona asiática de qualificação para o Mundial de 2018, o "gigante" asiático ocupa o terceiro lugar do grupo C e a passagem direta à fase final advinha-se difícil.

Mas João Nunes prefere ver as coisas pela positiva: "Se eu conseguir ter sucesso na China, que é um país que está agora a despertar para o futebol, a projeção será muito maior!".

Lusa/SOL

Os comentários estão desactivados.