Opiniao

Uma nova fase

Em Portugal, devido à nossa tipologia meteorológica e condicionados pelas férias da maioria da classe trabalhadora, as épocas de eventos e entretenimento dividem-se em dois espaços temporais durante o ano. A época de verão, que se inicia habitualmente na entrada do mês de junho até ao fim de setembro; e a restante época, que abarca todos os meses e que tem os seus pontos altos em dezembro, com o aproximar do Natal e do fim-do-ano; e nas épocas festivas do Carnaval e da chegada da Páscoa, que coincide novamente com as férias escolares.

Acabámos por isso de fechar um ciclo marcado este ano sobretudo pela ascensão e rápida banalização dos rooftops, sobretudo de hotéis. De repente todo e qualquer espaço ao ar livre acima do terceiro andar foi usado e abusado como pretexto para festa, uns com condições para isso, outros nem tanto, alguns com vistas deslumbrantes, outros mais comuns. O que interessava era estar na varanda ou topo de algum edificio. Pecou-se mais uma vez pelo conceito em que o importante era usar um estrangeirismo como título e uma fotografia da cidade de Lisboa vista de cima.

Para que a fotografia saísse perfeita nessa acentuada tendência a que assistimos também nas redes sociais, o ‘pau de selfie’ passou a ser objecto fundamental numa qualquer saída para ver o ‘sunset’; e na outra mão um gin em formato sopa da pedra e em copos cada vez mais similares a um aquário de pé alto. De realçar o lado positivo de ver que as pessoas aderem cada vez mais (seja por simples moda ou necessidade) às festas de fim de tarde, o que abre um leque de oportunidades a quem trabalha no meio e um horário também mais alargado para explorar.

Terminada esta fase, esperamos então para assistir ao que o novo ciclo nos reserva, sabendo de antemão que a moda dos gins estabilizou e que mais cedo ou mais tarde a têndencia será outra. De Espanha os ventos falam na moda do rum e normalmente o que acontece no país vizinho vem cá parar, mas eles por hábito sempre foram apreciadores da bebida, e nós não. Existem também espaços novos a surgir e outros que não regressarão das férias. Iremos assistir ao aparecimento com alguma regularidade dos festivais de inverno, tentando acompanhar o sucesso que têm os de verão. Quanto ao resto, acredito no surgimento de mais bares especializados em cocktails, devido ao crescente turismo e num confronto interessante de seguir entre grupos cada vez mais fortes. O Grupo K, o Bliss/Main, o Lust , o Seven/Place e o Lux. Todos eles irão apresentar novidades, veremos quem sairá por cima...