Politica

Passos conta aguentar até abril

Pedro Passos Coelho conta ser indigitado primeiro-ministro pelo Presidente da República e convidado a formar governo muito em breve. As pressões vindas de Bruxelas e as dificuldades de António Costa em chegar a um acordo com o PCP e com o BE dão alento à coligação PSD/CDS para acreditar que estará em  condições de se aguentar, pelo menos, até abril, a altura em que volta a ser possível convocar eleições.

Sem um acordo com o PS, o primeiro momento de tensão no Parlamento acontecerá com a discussão do programa de governo, com as moções de rejeição já anunciadas por Catarina Martins, logo na noite das eleições, e por Jerónimo de Sousa.

Mas caso o secretário-geral do PS não consiga chegar a um entendimento formal com comunistas e bloquistas, a coligação acredita que muito dificilmente  Costa e o PS poderão votar favoravelmente as moções de rejeição - propostas que têm de ser aprovadas por maioria absoluta, ou seja, com o voto efetivo de pelo menos 116 deputados.

sofia.rainho@sol.pt

Leia mais na edição impressa do SOL, já nas bancas